PremiumReceita de IRC na Madeira diminuiu 22% desde 2011

Receita fiscal cresceu 36% em dez anos, mas valor de IRC diminuiu. Ciclos económicos e turismo explicam variações, dizem especialistas.

A Madeira conseguiu no espaço de dez anos aumentar a sua receita fiscal em 187 milhões de euros, o que representa um aumento de 36%. Este crescimento foi obtido via IRS e IVA, uma vez que o valor cobrado em impostos sobre as empresas (IRC) diminuiu nos últimos anos devido ao impacto da pandemia de Covid-19 no turismo e outras atividades relevantes para a região.

De acordo com os dados da Direção Regional de Estatística (ver tabela), em 2011 a Região Autónoma da Madeira arrecadava 521 milhões de euros em IRS, IVA e IRC, enquanto em 2021 cobrou um total de 708,8 milhões de euros. O único imposto em que a região arrecada atualmente menos do que em 2011 é no IRC, com uma quebra de 15,6 milhões de euros, menos 22%. Isto apesar de o número de empresas ter aumentado de 21,2 mil para 28,9 mil desde 2011.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 4 de novembro.

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários