Receita do adicional ao IMI pode ser diminuta e não afasta investidores estrangeiros

Luís Lima, presidente da APEMIP, revela que a receita do adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis – IMI deverá ser diminuta e se, “não houver mais asneiras”, os investidores estrangeiros vão continuar a apostar em todo o país.

O presidente da APEMIP – Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal, afirmou à agência Lusa, que “se o Estado não fizer mais asneiras, o investimento estrangeiro vai chegar a cidades como Coimbra, Viseu, Braga, que já está a chegar, ou Aveiro e Guimarães”, acrescentou ainda o responsável, referindo os casos dos investidores brasileiros que estão a comprar sobretudo na zona Norte “pela relação com a afinidade da origem dos pais ou dos avós”.

Luís Lima notou ainda que a construção junto de cidades mais pequenas até 2001, destinada ao “crédito de 100%”, continua a ser um problema, enquanto nos centros de Lisboa ou Porto “não há ativos” suficientes para a procura.

“Em algumas zonas de Lisboa e do Porto os preços estão acima do que é razoável”, admitiu, reafirmando ser bom que exista construção em algumas zonas onde a reabilitação não chega e porque os portugueses “precisam de um ativo de preço inferior” ao que os estrangeiros estão dispostos a pagar.

Uma verdadeira política da habitação

Também Reis Campos, presidente da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas – AICCOPN e da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário – CPCI , comentou à Lusa que o setor do imobiliário tem de ser “encarado enquanto vector essencial para a dinamização da economia e do emprego, e não como inesgotável fonte de receitas”.

Reis Campos acrescentou ainda esperar que haja uma “verdadeira política da habitação, correspondendo a uma visão global e integrada”.

O presidente da CPCI indicou que o interesse dos investidores e a dinâmica do turismo nos centros históricos de Lisboa e do Porto estão a “impulsionar um movimento de reabilitação” e a “alterar um cenário de estagnação e abandono que se arrastava incompreensivelmente há décadas”.

Mas “este ciclo de investimento ainda está longe de ganhar o dinamismo de que o país precisa”, esclareceu.

Recomendadas

Comunidades pedem a António Costa que resolva “discriminação” de pensionistas

O Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa (CRCPE) endereçou hoje uma carta ao primeiro-ministro de Portugal a solicitar a atualização das pensões e reformas para evitar perdas do valor futuro das pensões e reformas dos portugueses no estrangeiro.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Câmara de Grândola aprova nova descida do IMI e alargamento do IMI familiar

A Câmara Municipal de Grândola aprovou, na passada quinta-feira, as propostas de redução do IMI de 0,34% para 0,33%, e de alargamento do IMI familiar para famílias com um dependente. Reduções que são para vigorarem em 2023.
Comentários