Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 3.054,8 milhões de euros até novembro

“O evoluir da pandemia e a implementação de novas medidas de contenção da propagação do vírus covid-19 marcam o mês de novembro de 2020”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO), assinalando que a quebra homóloga de 7,4% registada na receita fiscal do Estado é “fruto das quedas nas receitas dos impostos diretos em 787,5 milhões de euros (-4,7%) e nos impostos indiretos em 2 267,3 milhões de euros (-9,3%)”.

Cristina Bernardo

O Estado arrecadou menos 3.054,8 milhões de euros até novembro, uma quebra de 7,4% face ao mesmo período de 2019, sendo este resultado essencialmente atribuído aos efeitos da pandemia, segundo a Síntese de Execução Orçamental hoje divulgada.

“O evoluir da pandemia e a implementação de novas medidas de contenção da propagação do vírus covid-19 marcam o mês de novembro de 2020”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO), assinalando que a quebra homóloga de 7,4% registada na receita fiscal do Estado é “fruto das quedas nas receitas dos impostos diretos em 787,5 milhões de euros (-4,7%) e nos impostos indiretos em 2 267,3 milhões de euros (-9,3%)”.

Entre janeiro e novembro, a receita fiscal do Estado totalizou 38.289,3 milhões de euros, quando no mesmo período de 2019 ascendeu a 41.344,1 milhões de euros.

A quebra registada em novembro compara com o recuo homólogo de 7,6% observado em outubro.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários