PremiumReceitas do Turismo previstas para 2024 já este ano, mas há riscos

O sector do turismo está a viver um ano de forte recuperação, prevendo-se receitas acima do período pré-pandemia. A escassez de mão de obra, inflação alta e subida das taxas de juro são riscos ao crescimento num país ainda à espera de um novo aeroporto.

O turismo está em rota de recuperação. As receitas estão a crescer à boleia do forte apetite de portugueses e estrangeiros em viajar, havendo a expectativa entre as entidades ouvidas pelo Jornal Económico de que, mais do que chegar a níveis pré-pandemia, venham a ficar próximas de valores apenas previstos para 2024. Há, contudo, obstáculos que podem vir a travar o bom momento para o sector, nomeadamente a escassez de mão de obra e a ameaça de inflação elevada que já se está a fazer sentir nos preços pagos pelo consumidor.

“O turismo é um sector que, na última década (com excepção do período da pandemia), tem tido uma performance acima da média. Portanto, a sua recuperação era importante, sem dúvida”, afirma a economista Vera Gouveia Barros. De acordo com os dados mais recentes do INE, os alojamentos turísticos nacionais receberam 2,7 milhões de hóspedes em junho, num total de 7,2 milhões de dormidas, o que representa um aumento homólogo de 97,3% e 110,2%, respetivamente.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Espanha quer avançar com gasoduto que fica a mais de 750 quilómetros de Portugal

Governo espanhol está empenhado num gasoduto que vai servir para enviar gás argelino para o norte da Europa, deixando Portugal e o porto de Sines para trás. Madrid em silêncio sobre terceira interligação entre Portugal e Espanha.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Preço da pescada já aumentou 76% desde fevereiro, alerta Deco

Nos últimos cinco meses, o preço do cabaz alimentar é mais caro 27,61 euros. Olhando exclusivamente para as categorias de produto com maiores subidas de preços entre 23 de fevereiro e 10 de agosto, logo depois do peixe (mais 22,01%), a carne é a que mais se destaca, com um aumento de 17,17%.
Comentários