Receitas fiscais devem cair 9 milhões de euros na Madeira

As despesas de funcionamento devem passar de 31% para 20%, em termos de peso no PIB. A estimativa é que a taxa de desemprego fique nos 8,1%, e exista um crescimento económico de 2,3% na Madeira.

Stringer/Reuters

As receitas fiscais devem cair 9 milhões de euros, de acordo com as previsões do Orçamento Regional para 2019, para os 893 milhões de euros, enquanto que as despesas devem seguir a mesma tendência, disse Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional, na audição parlamentar, realizada na Assembleia Legislativa da Madeira, no âmbito da 2ª comissão de Economia, Finanças e Turismo.

O Orçamento Regional prevê ainda que as despesas de funcionamento passem de 31% para 28%, em termos de peso no Produto Interno Bruto (PIB) da Madeira, referiu o governante.

Quanto à verba alocada para as funções sociais o peso deve subir dos 17% para os 19,6%, acrescentou Pedro Calado, em termos do Orçamento Regional.

A expectativa é que a taxa de desemprego continue a baixar na Madeira com uma previsão de 8,1% em 2019 e um crescimento económico de 2,3%, defendeu Pedro Calado.

“Temos reduzido o défice do país e em 2019 deve acontecer o mesmo”, afirmou.

Recomendadas

Proteção Civil dos Açores pede à população que fique em casa devido ao mau tempo

Todas as ilhas dos Açores possuem vários avisos, alguns deles laranja, correspondentes a situações meteorológicas “de risco moderado a elevado”. No grupo ocidental o aviso é laranja mas está perto do vermelho, alerta a Proteção Civil.

PS acusa Lopes da Fonseca de mentir sobre construção de novas residências universitárias na Madeira

Rui Caetano salienta que a nova residência universitária garantida para o Funchal representa um investimento de 6,5 milhões de euros e irá disponibilizar 200 camas para estudantes universitários.

Eutanásia. Presidente da Assembleia da Madeira alega que Região não foi ouvida e pede veto

O presidente do parlamento da Madeira apelou hoje ao Presidente da República que não promulgue o diploma da despenalização da morte medicamente assistida, considerando que está ferido de inconstitucionalidade por falta de audição das Regiões Autónomas.
Comentários