Recorde em dezembro. Produção eólica da UE já abastece 21% do consumo

Mais de 1/5 do consumo elétrico da União Europeia foi assegurado pela produção eólica, que atingiu um novo máximo histórico entre 23 e 26 de dezembro.

A eletricidade eólica produzida foi suficiente para abastecer 21 % do consumo médio diário da União Europeia (cerca de 2150 GWh), o que equivale a cerca de 17 vezes o consumo de Portugal, avança a Associação de Energias Renováveis, citando dados da associação europeia de energia eólica WindEurope. Esta produção permitiu alimentar o equivalente a 218 milhões de habitações, ou 77 % das necessidades da indústria europeia.

Segundo esta instituição, em 2017, a potência eólica instalada na UE terá aumentado cerca de 9 % (14 GW), face a 2016, atingindo, atualmente, 165 GW.

Até 2020 prevê-se que, a nível europeu, as centrais eólicas onshore e offshore, sejam a tecnologia renovável com o maior acréscimo de potência (50 GW), seguido das centrais fotovoltaicas, (35 GW).

Em Portugal, de acordo com a Associação de Energias Renováveis, as centrais eólicas produzem anualmente perto de 1/4 das necessidades elétricas nacionais, o que permite reduzir as importações de combustíveis fósseis em cerca de 350 milhões de euros por ano.

O setor eólico nacional assegura por 22 mil empregos, entre diretos e indiretos, exportando  equipamentos no valor de 400 milhões de euros por ano.

 

 

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Angola. Processo de reprivatização da UNITEL já começou

Em outubro, o presidente de Angola anunciou a transferência para o Estado, através de nacionalização, das participações da Vidatel e da Geni na operadora de telecomunicações angolana Unitel, detidas até então por Isabel dos Santos e pelo general Leopoldino Fragoso do Nascimento “Dino”.

Vodafone. Quatro anos depois e com ações a valerem menos 40%, Nick Read renuncia ao cargo de CEO

A atual diretora financeira, Margherita Della Valle será CEO interina, avança a “Reuters”. As ações da empresa subiram 1,6% no pre-market em resposta ao anúncio.
Comentários