PremiumRedes Sociais: Censura e autorregulação

A decisão de suspender ou banir Donald Trump das redes sociais trouxe uma nova realidade que está longe de ser consensual. Muitos governantes e académicos lembram que a liberdade de expressão é um direito, mas a estreita linha que separa o discurso de ódio e a desinformação, e o poder das ‘grandes tecnológicas’, geram novos desafios à democracia.

Foram muitas as críticas de líderes mundiais à decisão tomada pelo Twitter de banir a conta do ainda presidente norte-americano Donald Trump. A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente francês Emmanuel Macron disseram ser “problemática” e “chocante” a medida da rede social, sublinhando que “direitos como a liberdade de expressão podem sofrer interferências, mas através da lei e dentro da estrutura definida pelo poder legislativo, e não de acordo com decisão corporativa”.

As críticas foram mais longe, com membros dos governos de ambos os países a considerarem que estamos perante uma “oligarquia digital” e que as grandes tecnológicas são “uma das maiores ameaças à democracia”.

Enquanto empresa privada, o Twitter diz ser claro em relação aos conteúdos que permite através dos seus termos de serviço. Ainda assim, a monitorização de publicações é quase uma tarefa hercúlea em que a eficácia fica aquém do proposto, uma vez que centenas de milhões de pessoas utilizam diariamente a rede social. Adicionalmente, não foi a primeira vez que Donald Trump violou os termos de serviço da plataforma, o que dá a ideia de um aproveitamento por parte das redes sociais da posição frágil em que este foi colocado depois de os seus apoiantes invadirem o Capitólio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.

PremiumAlbano Jerónimo: “Existe uma falta de empatia por parte do poder. A cultura é o parente pobre”

Acaba de chegar às salas de cinema o filme “Restos do vento”, realizado por Tiago Guedes e protagonizado por Albano Jerónimo. Este ano, o ator, que corre célere a via do sucesso com muito empenho como combustível, irá ainda figurar na série “El Presidente”, a estrear em breve na Amazon Prime, no filme “The Nothingness Club”, de Edgar Pêra, no qual é Álvaro de Campos, e ainda na longa-metragem “O Pior Homem de Londres”, rodada em inglês e dirigida por Rodrigo Areias.

Waking Life. Uma simbiose entre um festival de arte e música e um projeto de regeneração de terras alentejanas

A edição deste ano do festival colaborativo, que se realizou no Crato no final de agosto, reuniu cerca de 8.000 pessoas de mais de cem países. Associação Waking Life assumiu compromisso de atingir a “negatividade carbónica” ao assinar o protocolo Net Zero Carbon Events, alinhado com os objetivos de emissões de carbono estabelecidos pelo Pacto Ecológico Europeu e o Acordo de Paris da ONU.
Comentários