Reforço da tributação sobre gigantes da internet? Eurodeputados portugueses defendem medida, à exceção do CDS

Os eurodeputados portugueses, à exceção do democrata-cristão Nuno Melo, entendem que a fiscalidade deve adaptar-se à economia digital e que as empresas tecnológicas devem pagar impostos sobre os lucros, mesmo que estes não tenham sido obtidos em territórios onde têm presença física.

À exceção de Nuno Melo eleito pelo CDS-PP para o Parlamento Europeu, todos os eurodeputados portugueses concordam com a necessidade de reforçar a tributação sobre as grandes empresas de tecnologia. Os eurodeputados entendem que a fiscalidade deve adaptar-se à economia digital e que as empresas tecnológicas devem pagar impostos sobre os lucros, mesmo que estes não tenham sido obtidos em territórios onde têm presença física.

A eurodeputada Margarida Marques, eleita pelo PS, defende que é “fundamental” que seja criado um imposto sobre as empresas digitais, dada a digitalização da economia, e elogia a resolução aprovada esta quarta-feira no Parlamento Europeu, que visa uma tributação mais justa sobre os serviços digitais. Para Margarida Marques, é preciso “um maior equilíbrio entre os impostos sobre o trabalho e os impostos sobre a economia e, neste caso, sobre o digital”.

“O digital situa-se na economia global e, portanto, é natural que a OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] esteja a promover este debate e esteja a avançar no bom sentido, talvez um pouco lentamente”, disse, referindo-se ao programa de trabalho que a OCDE lançou, em 2019, para enfrentar aos desafios fiscais decorrentes da digitalização.

Margarida Marques diz que, assim que a OCDE apresentar o seu relatório (previsto para o início do próximo ano), “a Comissão e o Conselho devem trabalhar em conjunto no sentido de haver uma decisão na UE”.

Também a eurodeputada eleita pelo PSD Lídia Pereira considera que a resolução do Parlamento Europeu é “um passo em frente”. “Estamos a viver numa economia e sociedade digital e, por isso, temos de dar também o passo na fiscalidade. A UE, desde 2000, diminuiu, em média, em 32% os impostos tributados. Portugal é exceção”, sublinhou.

Lídia Pereira acrescenta que “tem de haver um compromisso diferente para uma economia que está adaptada ao mundo digital”. “É preciso adaptar a fiscalidade aos tempos modernos”, frisou.

Quem também partilha o princípio de que os lucros devem ser taxados no país e no local onde são gerados é João Ferreira, deputado do PCP no Parlamento Europeu, que defende que há hoje condições, no plano nacional e europeu, para “ir mais longe na taxação destas empresas”.

“Não podemos – como alguns fazem –, não querendo taxar essas multinacionais, não querendo medidas efetivas do grande capital, acabam por apontar para uma cooperação internacional que desejam tão ampla e profunda que nunca se venha a verificar. Essa é a melhor desculpa para nunca fazerem nada”, sustentou.

A eurodeputada Marisa Matias, eleita pelo BE, considera também que é necessário encontrar formas de obter recursos próprios para o orçamento da União Europeia (UE) que, de outra forma, com os cortes que se anunciam com a saída do Reino Unido, teremos seguramente muitas dificuldades pela frente.

“A área digital é uma das áreas em que se tem de se pensar formas de trazer mais alguma justiça fiscal porque não existe [já que] as grandes corporações normalmente fogem ao pagamento de impostos, as grandes plataformas também, mas devem pagar impostos nos lugares onde operam”, defendeu.

A favor dos impostos transnacionais está ainda Francisco Guerreiro, deputado do PAN no Parlamento Europeu, “no sentido de reforçar também o orçamento europeu”. “É relevante taxar as empresas que mais rendimentos e lucros têm a trabalhar dentro da UE e é um sinal de justiça fiscal. É uma medida muito positiva”, defende o eurodeputado.

Francisco Guerreiro considera, no entanto, que esse dinheiro deveria ser reinvestido em “ações que beneficiem a sociedade, nomeadamente em mais investimento climático e mais políticas de juventude e de transição económica e social”. “Não só taxar, mas também redirecionar esses fundos”, acrescentou.

Já o eurodeputado Nuno Melo, eleito pelo CDS-PP, diz que votará sempre contra qualquer tipo de impostos europeus. “Entendo que a fiscalidade é uma prerrogativa soberana dos Estados. Acho que a regra da unanimidade em matéria de recursos próprios que ainda existe é fundamental e, por isso, sou contra o fim da regra da unanimidade e contra a possibilidade da consagração de impostos europeus”, explicou.

Numa pergunta enviada à Comissão Europeia, o Parlamento Europeu questiona como é que será adotada uma posição comum da UE nos debates internacionais sobre os desafios fiscais da digitalização da economia e qual o impacto que essas medidas podem vir a ter na cobrança de receitas pelos Estados-membros. Os eurodeputados querem saber ainda que medidas vai a Comissão adotar para proteger o mercado único contra “uma maior fragmentação”.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) lançou, em 2019, um programa de trabalho para fazer face aos desafios fiscais decorrentes da digitalização, que envolve as 20 economias mais desenvolvidas do mundo (G20). O programa surge, na sequência de um despertar de consciências para a erosão da base tributável e transferência de lucros (BEPS), na sequência da crise financeira de 2008 e da revelação de diferentes práticas de evasão fiscal, planeamento fiscal agressivo e elisão fiscal.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários