Registos de armas aumentam 48% com Bolsonaro na Presidência do Brasil

No seu primeiro ano de mandato, o chefe de Estado publicou oito decretos, flexibilizando a posse e o porte de armas, mas teve que recuar na maioria das vezes porque as medidas desencadearam controvérsias e contestações judiciais, com vários opositores a explicar que o aumento de armas só agravaria a violência num país com uma elevada taxa de homicídio.

Os registos para posse de arma de fogo aumentaram 48% durante os primeiros 11 meses do Governo do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, informou hoje a imprensa.

Em números, os registos de posse de armas passaram de 47,6 mil em 2018 para 70,8 mil de janeiro até novembro deste ano, batendo o recorde de 1997, dado mais antigo obtido pelo jornal Folha de S.Paulo.

O levantamento trata da permissão para posse de armas mantidas em casa ou no comércio, mas brasileiros que têm este tipo de autorização não podem andar armados nas ruas.

Registos de armas para caçadores, atiradores e colecionadores, concedidos pelo Exército brasileiro também aumentaram 8%, passando de cerca de 60 mil, em 2018, para 65 mil nos 11 meses de 2019.

A liberalização da posse e do porte de armas foi uma das principais promessas de campanha de Jair Bolsonaro, eleito Presidente do Brasil em outubro de 2018.

No seu primeiro ano de mandato, o chefe de Estado publicou oito decretos, flexibilizando a posse e o porte de armas, mas teve que recuar na maioria das vezes porque as medidas desencadearam controvérsias e contestações judiciais, com vários opositores a explicar que o aumento de armas só agravaria a violência num país com uma elevada taxa de homicídio.

Em 2018, o Fórum de Segurança Pública, organização não-governamental, que recolhe dados sobre crimes no país, estimou que foram assassinadas 57 mil 341 pessoas no Brasil.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Prémio Nobel da Literatura atribuído à escritora francesa Annie Ernaux

A Academia Sueca galardoou a autora pela “coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal”.

Brasil: Vitória de Lula da Silva não está assegurada. Veja a “A Arte da Guerra”

As eleições no Brasil e na Bulgária e ainda o desfecho dos primeiros passos da primeira-ministra britânica, Liz Truss. Tudo para ver esta semana em ‘A Arte da Guerra’, da plataforma JE TV, um programa conduzido pelo jornalista António Freitas de Sousa e com os comentários do embaixador Francisco Seixas da Costa.
Comentários