Regresso à guerrilha e à internet

Depois da derrota militar no terreno, o ISIS retira. Os analistas consideram que vai refugiar-se na guerrilha, no terrorismo e na internet, o maior de todos os terrenos. E não sabemos ainda como o enfrentar.

Bassam Khabieh/Reuters

Em 2017, o grupo religioso sunita jiadista ISIS, acrónimo em inglês de Estado Islâmico do Iraque e da Síria – ou Daesh, o acrónimo em árabe –, quase acabou. No seu apogeu, em 2014, ano em que decidiu anunciar o renascer do califado, dominava cerca de 100 quilómetros quadrados de território, especialmente na Síria e no Iraque – uma área idêntica à da Bulgária e maior do que o território de Portugal. No início deste ano, estava reduzido a metade, a uma área da dimensão do território ocupado pela Dinamarca, a Holanda ou a Suíça. Hoje, perdeu a sua capital, a cidade síria de Raqqa, e perdeu Mossul, a terceira maior cidade iraquiana e um símbolo, porque foi ali que o líder do ISIS Abu Bakr al-Baghdadi se anunciou como califa. Al-Baghdadi também foi morto e não foi substituído. Apontado como militarmente vencido por uma coligação largada de forças, com o intitulado califa morto, o ISIS está em retirada. Os analistas ouvidos pelo Jornal Económico dizem que vai entrincheirar-se na guerra de guerrilha, no terrorismo e na internet, o maior território de todos e onde demonstrou ser poderoso.

O fundador do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT) e presidente do seu conselho consultivo, José Manuel Anes, diz ao Jornal Económico que o ISIS traz dentro de si a semente da sua destruição: “Estão, desde o começo, enterrados numa grande contradição interna: estão a fazer a construção de um Estado, de um proto-Estado – o que exige racionalidade, competência, etc. –, mas, ao mesmo tempo, têm uma ideologia apocalíptica, daquele jiadismo fanático”, que é incompatível com a edificação de uma organização.

Assim, por um lado, desbaratam a o sistema organizativo que trouxeram do Iraque, que lhes permitiu controlar o território e ter um exército; por outro, abrem frentes de batalha umas a seguir às outras e criam todos os inimigos. No final, resta uma capacidade que também é uma herança do Iraque de Saddam Hussein: a guerra da informação, que beneficiou do conhecimento “dos oficiais de ação psicológica de Saddam, mas depois com uma transformação no sentido do jiadismo apocalíptico”, diz Anes, que conta um episódio: “O primeiro-ministro do Iraque foi a França, fez agora um ano, em novembro, para pedir auxílio militar e político. Depois, veio cá fora e deu uma entrevista rápida, em que disse: cuidado, nós precisamos muito de apoio contra a propaganda do Estado Islâmico, que é poderosíssima”. E é aqui, que tudo regressa.

A internet como ferramenta constante de guerra

“O ISIS não vai recuar para a internet, depois de perder o controlo das suas posições urbanas no Iraque e na Síria”, diz ao Jornal Económico Kamran Bokhari, analista sénior da Geopolitical Futures, organização especializada em informação e geopolítica. Bokhari considera que não se trata de um regresso, porque o ISIS nunca deixou o ciberespaço. “A Internet tem sido uma arena para as operações psicológicas do movimento, que tem uma divisão separada sobre propaganda via web”, aponta.

Opinião idêntica tem Alice Lacoye-Mateus, portuguesa especialista em informação, que trabalha com a francesa Ecole de Guerre Economique. Explica que “o know-how informacional [do ISIS] não é espontâneo”, mas resulta de uma importação de quadros do antigo exército iraquiano, de jiadistas tchetchenos que combateram a Rússia e também de especialistas ocidentais.

“A Internet era usada por Daesh, no tempo do califado, com objectivos operacionais/logísticos, de recrutamento e de guerra psicológica”, diz Alice Lacoye-Mateus. “A perda de território implica perda de recursos e de rotas, sendo o ciberespaço usado para compensar estas perdas”, acrescenta.

Perdendo militarmente, o ISIS centrar-se-á na internet, mas operacionalmente, no mundo real, não desaparece, até porque continua a controlar território no Iémen, Afeganistão, Líbia ou Egipto; e tem organizações vassalas, como o Boko Haram, na Nigéria, e células na Argélia, Paquistão, Filipinas ou Arábia Saudita.

“[O ISIS] retornou aos seus santuários rurais na Síria e no Iraque e voltou ao estágio da insurgência, concentrando-se mais no terrorismo urbano”, diz Kamran Bokhari.

“Os esforços no ciberespaço são uma adição à presença física, como o ISIS faz desde 2014”, aponta ao Jornal Económico Scott Stewart, vice-presidente de Análise Tática plataforma de inteligência geopolítica Stratfor. “Não os considero mortos no mundo real, mas simplesmente em mudança, de manter e governar um território para operações insurgentes”, diz.

Alice Mateus reforça esta ideia. “O Daesh caracterizava-se pela escolha de uma estratégia retórica baseada na existência concreta de um alegado califado. Nesta perspetiva, o tempo jogava contra o Daesh, obrigado, como um Estado, em justificar da sua capacidade de governar e assegurar a estabilidade de um território”, diz, acrescentando que a guerra de informação servia este propósito. Agora, com a guerra perdida no terreno, tudo muda: “O Daesh passa de uma lógica político-militar para uma lógica quase unicamente terrorista”, diz.

Como enfrentar a ciberameaça

A questão é saber se os países que fizeram frente ao ISIS no teatro de guerra aprenderam, com o tempo, a combater a organização fundamentalista também neste espaço. José Manuel Anes diz que a máquina de propaganda poderosa com a ideologia apocalíptica. “Mesmo sem território, a propaganda do Estado Islâmico vai continuar e vai recrutar”, avisa.

Scott Stewart diz ao Jornal Económico que o mundo ocidental aprendeu, parcialmente, a “bloquear alguns canais de social media”, mas considera que “não tem a capacidade para contrariar a ideologia [do ISIS]”.

“Essa é a verdadeira batalha agora, e até que a ideologia seja destruída ou desacreditada, eles continuarão a conquistar novos convertidos nos mundos físico e cibernético”, afirma.

No relatório publicado pela Escola de Guerra Económica de Paris sobre se a França pode vencer o ISIS na guerra da informação, é sublinhado o “caracter crucial da guerra de informação na estratégia de Daesh e o seu know-how”, diz Alice Lacoye-Mateus. “E possível que o Daesh sobreviva e se mantenha ativo usando as suas capacidades informacionais, mas é igualmente possível que não sobreviva usando somente o ciberespaço. A questão será determinada pela capacidade ofensiva informacional dos seus inimigos, se estes perceberem o momento de vulnerabilidade informacional no qual a organização se encontra e souberem explorá-lo”, assevera.

Kamran Bokhari considera que ainda estamos “nas fases de aprendizagem da contra-mensagem”, mas aponta uma questão essencial para enfrentar a ameaça: “O problema-chave é que não existe uma narrativa alternativa efetiva àquelas que os extremistas islâmicos e os radicais se espalham”.

Ou seja, a guerra não terminou, continua.

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Valentine Low relata que uma das funcionáriasque trabalhava para Meghan foi agredida verbalmente “sem razão aparente” pela duquesa poucos dias antes do casamento
Comentários