Regulador britânico da concorrência afirma que Google e Apple “controlam” os consumidores

O CMA revelou que as duas gigantes tecnológicas foram capazes de alavancar o seu controlo de mercado para criar ecossistemas autossuficientes. A declaração é um novo aviso para grupos de tecnologia após o regulador, com o apoio do governo britânico, ter intensificado o escrutínio do poder que exercem num mundo cada vez mais digital.

O regulador da concorrência no Reino Unido (CMA – sigla em inglês), disse que a Google e a Apple controlam a forma como as pessoas utilizam os smartphones, ao eliminarem qualquer escolha significativa em relação à tipologia de sistema preferido e, com isso, aumentam os custos, segundo a “Reuters”.

O CMA revelou que as duas gigantes tecnológicas foram capazes de alavancar o seu controlo de mercado para criar ecossistemas autossuficientes. A declaração é um novo aviso para grupos de tecnologia após o regulador, com o apoio do governo britânico, ter intensificado o escrutínio do poder que exercem num mundo cada vez mais digital.

Recentemente, o CMA disse à proprietária da Facebook, a Meta, que devia vender o Giphy, a popular plataforma de imagens animadas que comprou em 2020.

O regulador disse esta terça-feira que iria avaliar as descobertas iniciais da Apple e da Google e que teria respostas até 7 de fevereiro. O relatório final sobre as atuações das gigantes norte-americanas deverá ser divulgado no final de junho de 2022.

“A Apple e ao Google desenvolveram um controlo semelhante ao de como usamos os smartphones e estamos preocupados com o facto de isso estar a fazer com que milhões de pessoas em todo o Reino Unido fiquem a perder”, disse o presidente-executivo do CMA, Andrea Coscelli.

Chris Philp, ministro britânico para a Tecnologia e Economia Digital, disse que o “novo regime pró-concorrência” do Reino Unido irá “nivelar o campo de jogo” entre os gigantes da tecnologia e as pequenas empresas.

A Apple diz que os seus ecossistemas fornecem segurança e privacidade, permitindo que as empresas vendam produtos e criem empregos. “A Apple acredita em mercados prósperos e dinâmicos onde a inovação pode florescer”.

Por sua vez, a Google disse que o sistema Android oferece às pessoas mais opções do que qualquer outra plataforma móvel para decidir quais aplicações e lojas de podem utilizar. A gigante norte-americana disse que o seu ecossistema sustentou quase 250 mil empregos no Reino Unido e, como resultado das mudanças recentes, 99% dos programadores qualificaram-se para uma taxa de serviço de 15% ou menos.

“Estamos comprometidos em construir plataformas abertas e prósperas que capacitem os consumidores e ajudem os programadores a ter sucesso”, disse a Google em comunicado.

O relatório do CMA apresentou uma série de opções, incluindo facilitar para os utilizadores alternar entre os telefones iOS da Apple e Android da Google sem perder funcionalidade ou dados.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários