Rei dos Belgas pede “sentido de responsabilidade” aos dirigentes políticos

O chefe do Estado pediu responsabilidade” numa altura em que o país está mergulhado numa crise devido a divergências sobre o pacto da ONU para regular a imigração.

Bélgica

O primeiro-ministro belga, o liberal francófono Charles Michel, apresentou a demissão ao rei Philippe no passado dia 18, numa altura em que o seu governo estava prestes a cair no Parlamento devido a uma moção de censura.

Na sequência, o rei do Belgas pediu aos políticos do país que assumam um “sentido de responsabilidade”, para que o país não se afunde na crise e não regresse a uma situação a que quase conseguiu habituar o mundo: a inexistência de um governo em plenas finções.

A crise foi aberta quando os ministros da Nova Aliança Flamenga (N-VA, nacionalistas) abandonaram o Governo em oposição ao apoio do país ao Pacto mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) para regular as migrações.

O rei Philippe aceitou a demissão de Michel, mas após consultas com os partidos pediu ao executivo para se manter em funções até à realização das eleições, previstas para maio.

A preocupação em evitar eleições antecipadas está também relacionada com a realização em junho, no espaço comunitário, de eleições europeias. Ainda em 2019 irão realizar-se na Bélgica eleições locais.

Esta segunda-feira, numa mensagem de vídeo de quase cinco minutos, o rei fez um apelo aos dirigentes políticos belgas para que adotem uma atitude responsável neste tempo de crise.

“O nosso país atravessa um período turbulento. Há questões que preocupam, com razão, os nossos cidadãos. Tenho confiança no sentido de responsabilidade dos nossos dirigentes para agirem no interesse do país”, disse o rei.

No seu discurso, o monarca referiu expressamente às próximas eleições federais, locais e europeias e reclamou “verdadeiros debates”, para que o exercício de voto resulte de “uma reflexão madura”

Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula da Silva vota em eleição que pode definir o seu regresso ao Governo

Além de Lula da Silva e Bolsonaro, disputam as presidenciais brasileiras os candidatos Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Eymael, Padre Kelmon, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.

Papa Francisco pede a Putin para parar a guerra e alerta para risco nuclear

Francisco sempre mostrou preocupação com a guerra na Ucrânia, chegando a ponderar uma viagem a este país, e agora decidiu dedicar o Angelus a refletir sobre este problema, algo que raramente acontece, sendo que a última vez que ocorreu em 2013 para pedir a paz na Síria.

Eleições do Brasil: Bolsonaro vota e garante que vencerá presidenciais na primeira volta

“A expectativa é de vitória hoje. Nesses 45 dias, fui praticamente em todos os estados do Brasil. Ontem, em Joinville, algo nunca visto no Brasil, tanta gente na rua. Eleições limpas, sem problema nenhum”, declarou.
Comentários