Reino Unido deve sair da União Europeia a 31 de janeiro, diz Michael Gove

O país quer ainda alcançar um acordo para trocas comerciais, com a União Europeia, até final de 2020.

A prioridade do Reino Unido passa por sair da União Europeia a 31 de janeiro e assegurar um acordo com a União Europeia até final de 2020, defendeu Michael Gove, que integra o executivo britânico, citado pela Reuters.

O governante acrescentou que o Reino Unido pretende alcançar um acordo com a União Europeia, a nível das trocas comerciais, até final de 2020.

“Posso confirmar que teremos uma oportunidade para votar no acordo de saída num curto espaço de tempo. Depois disso vamos assegurar que esse acordo é aprovado antes de 31 de janeiro”, refere a Reuters, citando declarações de Michael Gove à Sky News.

A intenção do executivo britânico passa ainda por reforçar o financiamento do sistema público de saúde.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/comercio-reino-unido-ue/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”908″ slug=”comercio-reino-unido-ue” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/comercio-reino-unido-ue/thumbnail?version=1573150092076&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Relacionadas

Maiores empresas no Reino Unido valorizaram 40 mil milhões após vitória de Boris Johnson

A nova maioria de conservadores no parlamento britânico deverá evitar um Brexit sem acordo. Mas os investidores também ficaram satisfeitos com a derrota do partido trabalhista, que tinha prometido nacionalizar várias empresas. Os 16 britânicos mais ricos aumentaram a sua fortuna em 2,5 mil milhões só na sexta-feira.

BlackRock e Credit Suisse vêem na eleição de Boris Johnson redução “significativa” de incertezas

O resultado eleitoral britânico determinou a continuidade do líder dos conservadores como primeiro-ministro britânico. Com a vitória reconhecida, Boris Johnson prometeu que o Brexit vai para a frente a 31 de janeiro, o prazo estabelecido pela União Europeia. “Vou pôr fim a este absurdo”, disse.
Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários