Metade da força separatista russa em Donetsk está morta ou ferida

O Reio Unido também acredita que a Rússia provavelmente pretende implementar um grande número de unidades militares no leste de Donbas.

Forças separatistas russas e apoiadas pela Rússia na região de Donetsk, na Ucrânia, sofreram pesadas baixas, segundo autoridades de inteligência do Reino Unido citadas pela “BBC”.

Assim, o serviço de inteligência do Reino Unido estima que a milícia de Donetsk sozinha perdeu 55% da sua força original e acredita que a Rússia provavelmente pretende implementar um grande número de unidades militares no leste de Donbas, na Ucrânia, que é formado por Donetsk e Luhansk.

Há meses que existem relatos de civis que são recrutados para a milícia à força, com baixa moral e armas de reduzida qualidade. No mês passado, o serviço de segurança SBU da Ucrânia alegou que estes homens compararam as condições à escravidão e estavam prontos para desertar.

O serviço de inteligência do Reino Unido chamou ainda a atenção para o “extraordinário desgaste” sofrido pelas forças russas em Donbas.

Por sua vez, o governador de Luhansk, Serhiy Haidai, disse que houve uma “destruição colossal” na cidade. De acordo com Haidai  a situação a cidade irmã de Severodonetsk era um “inferno” e cerca de 7.000 a 8.000 civis permanecem lá.

As forças russas estão focadas em conquistar toda a vizinha Luhansk, com o objetivo de cercar a cidade de Lysychansk, dizem os líderes ucranianos.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse no seu discurso na noite de terça-feira que, embora Luhansk seja atualmente a área mais difícil, o exército invasor também está a “pressionar seriamente a direção de Donetsk”.

Recomendadas

Conselho da UE anuncia apoio de 40 milhões de euros para o exército da Moldávia

Este apoio complementa a contribuição europeia de sete milhões de euros, feita em dezembro de 2021, destinada na altura a capacitar o Serviço Médico Militar do Batalhão de Engenharia das Forças Armadas moldavas. 

Ucrânia: Diplomacia russa protesta contra afirmações ‘grosseiras’ de Johnson

Em comunicado, o Ministério adiantou que Deborah Bronnert recebeu um protesto “firme” contra “as afirmações abertamente grosseiras a respeito da Federação Russa, do seu dirigente, dos seus responsáveis, bem como do povo russo”.

ONU classifica de “revés” decisão judicial que limita regulação ambiental nos EUA

A ONU considerou que retrocessos em países que produzem grandes quantidades de emissões prejudiciais ao ambiente, como os Estados Unidos, tornam “mais difícil alcançar os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris para um planeta mais saudável e em que se possa viver”.
Comentários