Reino Unido e França chegam a acordo para combater a imigração ilegal

Vão ser reforçadas as patrulhas no Canal da Mancha. França prevê ainda aumentar o investimento em infraestruturas tecnológicas, como é o caso dos drones, que têm a capacidade de localizar as embarcações.

Refugees crossing the Mediterranean sea on a boat, heading from Turkish coast to the northeastern Greek island of Lesbos, 29 January 2016.

Os governos britânico e francês chegaram a um acordo tendo em vista o reforço em 40% do número de patrulhas no Canal da Mancha. Estas trabalham em busca de pequenos barcos com cidadãos que procuram asilo e que, para tal, cruzam o canal da mancha.

França já patrulhava as suas praias, mas agora vai contar com a ajuda do Reino Unido. O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, estava a ser pressionados pelos deputados do Partido Conservador a trabalhar para reduzir os episódios de “migração ilegal” e o acordo, assinado na manhã desta segunda-feira vai precisamente nesse sentido.

“Quando se trata de migração em geral, acho que a maior prioridade do povo britânico, assim como a minha, é de conter a migração ilegal”, disse o chefe de governo aos jornalistas, na véspera, quando estava a caminho de Bali, Indonésia, para estar presente na reunião do G20.

Quanto a França, vai aumentar o investimento em infraestruturas tecnológicas, como é o caso dos drones, que têm a capacidade de localizar as embarcações.

O acordo, a ser assinado pela ministra britânica do Interior e pelo homónimo francês Gérald Darmanin contempla também um aumento na partilha de informações entre os dois países. A isto, junta-se a disponibilização de alternativas a pessoas que possam ter a intenção de fazer a viagem.

Recomendadas

Orban acusa UE de bloquear fundos à Hungria por “razões políticas”

Na quarta-feira, a Comissão Europeia tinha recomendado o congelamento de mais de 13 mil milhões de euros de fundos europeus destinados à Hungria, em resposta aos problemas de corrupção identificados neste país.

Portugal “acompanha” declaração condenatória da UE sobre eleições na Guiné Equatorial

“Com a proclamação dos resultados definitivos das eleições presidenciais, legislativas e municipais pelo Tribunal Constitucional da República da Guiné Equatorial, conclui-se o processo eleitoral. A este respeito, Portugal acompanha as declarações emitidas pelas organizações que integra – CPLP e UE”, fez saber o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa nota hoje divulgada no Portal Diplomático.

Rússia tenta mediar encontro entre Erdogan e Bashar al-Assad

Numa altura em que Turquia ameaça entrar na Síria para perseguir grupos curdos, Moscovo quer que os presidentes dos dois países se encontrem para encontrarem uma solução comum.
Comentários