Reino Unido eleva nível de alerta por causa da variante Ómicron

As autoridades de saúde do Reino Unido anunciaram este domingo que elevaram o nível de alerta da covid-19, devido a um “aumento rápido” de contágios da variante Ómicron.

Londres, Reino Unido | Andrew Redington/Getty Images

O nível de alerta passou de três a quatro, o segundo mais elevado apontando para uma transmissão maior, e a pressão sobre os serviços hospitalares é significativa e está a aumentar.

“Os primeiros dados demonstram que a Ómicron está a propagar-se muito mais rápido do que a Delta e que a proteção da vacina contra os doentes com sintomas da variante Ómicron é reduzida”, justificaram.

Embora a gravidade da Ómicron ainda não seja conhecida, podendo ser conhecida “de forma mais clara nas próximas semanas”, as autoridades notam que “já existem” hospitalizações devido a esta variante e que é “provável” que o seu número “aumente rapidamente”.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, vai ainda hoje discursar à nação sob a forma de uma declaração gravada, revelou Downing Street.

O governante deverá fazer um balanço dos esforços do Governo para combater a disseminação da Ómicron, depois de hoje terem sido anunciadas medidas extraordinárias, como a extensão da terceira dose da vacina contra a covid-19 a maiores de 30 anos, a partir de segunda-feira.

O Ministério da Saúde inglês anunciou hoje que os casos de contacto com vacinação completa com pessoas que tiveram resultado positivo à covid-19 vão passar a fazer testes antigénios diários, durante sete dias, ao passo que haverá isolamento profilático durante dez dias para os que não estão vacinados.

O ministro Sajid Javid apelou à população para se vacinar ou, nos casos de vacinação completa, tomar a dose de reforço.

Estas medidas juntam-se às já anunciadas pelo primeiro-ministro: o uso de máscara em espaços fechados, a apresentação de certificados digitais de vacinação à entrada de espaços de animação noturna e o teletrabalho quando for possível.

As medidas vão ser votadas pelo Parlamento na terça-feira.

O Reino Unido é um dos países mais afetados pela covid-19, com mais de 146.000 mortes e cerca de 50.000 novas infeções registadas todos os dias.

No sábado, cientistas da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres defenderam o reforço das restrições para conter a variante Ómicron e divulgaram os resultados de um estudo que prevê que a nova variante poderá provocar entre 25.000 e 75.000 mortes nos próximos cinco meses no Reino Unido, se não se adotarem restrições mais severas.

O estudo aponta para uma nova onda de contágios, com mais infeções e hospitalizações do que aquelas que foram registadas em janeiro deste ano, aquando do aparecimento da variante Delta, e sugere que a variante Ómicron pode tornar-se na variante mais dominante em Inglaterra em alguns dias.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
médicos

Médicos portugueses com remuneração real mais baixa em 2020 do que em 2010, diz OCDE

Segundo o documento, em Portugal, que tem uma média de 4,5 clínicos por mil habitantes, a redução ocorreu entre 2010 e 2012 e, desde então, a remuneração dos médicos aumentou, mas manteve-se mais baixa em 2020 do que em 2010 em termos reais.

ONG dá “voto de desconfiança” a comissão de acompanhamento em obstétrica

O Observatório de Violência Obstétrica (OVO) deu hoje um “voto de desconfiança” à Comissão de Acompanhamento da Resposta em Urgência de Ginecologia, Obstetrícia e Bloco de Partos, tendo criticado a sua composição.
Comentários