Reino Unido. Inflação desce pelo segundo mês consecutivo

A diminuição dos preços dos combustíveis e da roupa ajudou a esta descida, mas os alimentos e as bebidas não alcoólicas registam o maior aumento desde 1977.

Foram divulgados esta quarta-feira pelo instituto de estatística britânico, os dados sobre a inflação no Reino Unido em dezembro de 2022, e observou-se o abrandamento pelo segundo mês consecutivo.

Em dezembro de 2022, o Reino Unido registou uma taxa de 10,5%, face aos 10,7% registados em novembro do mesmo ano. A diminuição dos preços dos combustíveis e das roupas, representou um impacto significativo na descida da inflação, mas os produtos alimentares e as bebidas não alcoólicas registaram o maior aumento desde 1977, de 16,8%. O queijo, ovos e leite foram os líderes da inflação, apresentando com aumentos mais acentuados.

Em outubro do ano passado, a taxa de inflação registou o valor mais elevado de sempre, fixando-se em 11,1%. Para o presente ano, o Banco de Inglaterra prevê que a taxa se encontre nos 5%, com a ajuda da estabilização dos preços da energia.

Para este ano é esperado uma contração da economia da Grã-Bretanha e que o Banco Central aumente a sua taxa de juro para 4% em fevereiro.

O ministro das Finanças britânico, Jeremy Hunt, disse que as altas taxas de inflação eram um pesadelo para os orçamentos das famílias, más para os negócios e que levavam a um aumento generalizado das greves, mas que “por muito dura que fosse a realidade era preciso manter-nos fieis ao nosso plano para a derrubar”, segundo a “Reuters”.

Recomendadas

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo mantém apoios aos combustíveis em fevereiro. Gasolina com maior desconto

Esta decisão significa que, em fevereiro, há um alívio na carga fiscal dos combustíveis. Considerando todas as medidas em vigor, a redução da carga fiscal passará a ser de 35,9 cêntimos por litro de gasóleo e de 34,8 cêntimos por litro de gasolina, refere o gabinete de Fernando Medina.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira, 3 de fevereiro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários