Reino Unido não vai obrigar as empresas a entregar lista de estrangeiros

Reino Unido não vai forçar as empresas britânicas a fazer listas de trabalhadores estrangeiros, após a medida anunciada na quinta-feira, pelo ministro do Interior, Amber Rudd. Uma notícia que mereceu a recusa generalizada do setor empresarial.

Paul Hackett/Reuters

Na quinta-feira passada, o ministro do Interior, Amber Rudd, anunciou um endurecimento das condições para as empresas que contratem trabalhadores estrangeiros, com o objectivo de assegurar os empregos por cidadãos britânicos. “Temos de garantir que as pessoas que vêm é preencher as lacunas no mercado de trabalho, não ocupar empregos que poderiam ser dos britânicos”, referiu.

Estas medidas resultam, segundo Rudd, numa estratégia do governo para reduzir a imigração, mesmo antes da saída da UE estar concluída. As empresas receberam a notícia e mostrarem o seu descontentamento.

Contudo, o ministro da Defesa, Michael Fallon, durante uma entrevista, durante o dia de hoje à rádio BBC, veio acalmar os ‘ânimos’ e revelou: “Confirmo que forçar as empresas a fazer listas não vai acontecer. Não vamos forçar ninguém a identificar os estrangeiros”.

Também a ministra da Educação, Justine Greening, também veio confirmar que a medida revelado pelo interior não será executada.

Recomendadas

Ucrânia: Banco Mundial concede mais 540 milhões de euros a Kiev

O Banco Mundial anunciou que irá conceder um apoio adicional no valor de 530 milhões de dólares (540,6 milhões de euros) para permitir à Ucrânia “responder às necessidades urgentes causadas pela invasão russa”.

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.
Comentários