Reino Unido. Taxa de desemprego sobe para 3,6%

Contudo, o crescimento salarial permaneceu forte, com os salários excluindo bónus a aumentar 5,7% — e com bónus 6,0% —, a maior taxa de crescimento anual excluindo o período de pandemia de Covid-19. Mesmo assim, os salários estão a subir muito menos do que a inflação.

7 – Reino Unido

A taxa de desemprego do Reino Unido subiu inesperadamente para 3,6%, em setembro, e as vagas de emprego caíram pelo quinto relatório consecutivo, refletindo a preocupação dos empregadores com as perspetivas para a economia — que contraiu 0,2% no terceiro trimestre — segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Escritório de Estatísticas Nacionais (o equivalente ao INE português).

Contudo, o crescimento salarial permaneceu forte, com os salários excluindo bónus a aumentar 5,7% — e com bónus 6,0% —, a maior taxa de crescimento anual excluindo o período de pandemia de Covid-19. Este fator, a par de um mercado de trabalho mais pequeno, mantém a pressão sobre o Banco da Inglaterra para continuar a aumentar as taxas de juro, segundo a “Reuters”.

Mesmo assim, os salários estão a subir muito menos do que a inflação, que deve ter atingido 10,7% nos dados que serão divulgados na quarta-feira, diminuindo o poder de compra das famílias britânicas.

O número de vagas de emprego no período de agosto a outubro caiu para 1,23 milhões, o menor desde o final de 2021.

“Um número crescente de empregadores dizem que as pressões económicas são um fator na sua decisão de atrasar o recrutamento”, disse o estatístico do ONS, Darren Morgan.

No entanto, o nível de vagas ainda é alto para os padrões históricos, ressaltando os problemas enfrentados por muitos empregadores a preencher cargos vazios.

Na quinta-feira, o Tesouro britânico irá apresentar a proposta de Orçamento do Estado para 2023 depois do caos causado pelo miniorçamento de Kwasi Kwarteng e Liz Truss. O novo ministro das Finanças, Jeremy Hunt, planeia aumentar impostos e cortar na despesa para consertar as finanças públicas.

Hunt disse que abordará os problemas de escassez de trabalhadores na sua declaração de orçamento na quinta-feira.

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.
Comentários