RE\MAX registou movimento de 1,67 mil milhões de euros no terceiro trimestre

Portugueses foram responsáveis por 75% dos negócios entre arrendamento e compra de casa, com os investidores brasileiros a liderarem no mercado internacional.

A RE\MAX apresentou um volume de preços de 1,67 mil milhões de euros no terceiro trimestre, o que correspondeu a 18.701 transações, segundo o comunicado da rede imobiliária divulgado esta quarta-feira, 9 de novembro.

No período em análise foram os portugueses quem mais adquiriu ou arrendou casa (75%), correspondendo a 4.673 negócios, com os investidores brasileiros a liderarem no mercado internacional (7,6%), seguidos pelos angolanos (1,9%) e norte americanos (1,7%).

Em relação aos negócios imobiliários feitos por concelho, Lisboa (12,2%) continua a liderar com 2.280 transações, seguindo-se Sintra (6,5%), Cascais (3,4%), Oeiras (3,3%), Almada (2,6%), Amadora (2,5%), Braga (2,4%), Odivelas (2,3%), Porto (2,5%) e Vila Nova de Gaia (2,2%).

Os apartamentos e moradias representaram 54,1% e 27,6% do total, respetivamente, das propriedades mais comercializadas no terceiro trimestre, sendo que a tipologia mais procurada foi o T2 (44%), seguida pelo T3 (33,9%), os T1 (14,6%) e outras tipologias (7,6%). Cerca de 8,8% dos imóveis negociados neste período foram terrenos, lojas 2,7%, quintas 1,5% e outros tipos de imóveis 5,3%.

Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX, prevê que o último trimestre seja marcado “por desafios acrescidos, designadamente pela intensificação da escassez da oferta e por uma procura receosa face ao aumento das taxas de juro de referência”.

Recomendadas

GuestReady expande operações de Alojamento Local para a Região Autónoma da Madeira

A aquisição da AYS Madeira Property Management marca a estreia do grupo especializado na gestão de alugueres a curto e médio prazo naquela região, depois de já ter adquirido a Oporto City Flats, em 2019, e a The Porto Concierge, em 2021.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Renda média da habitação com aumento homólogo de 320 euros em novembro

Em relação a novembro de 2021, os valores das rendas mais do que duplicaram em Évora (111,3%), que passou a ser o terceiro distrito mais caro (1.234 euros) depois do Porto e Lisboa, onde o valor da renda chega quase aos dois mil euros.
Comentários