Remodelação no Governo. “É uma salada russa. É tapar buracos”, refere Marques Mendes

No seu habitual espaço de análise o comentador considera que o Executivo só pode queixar-se de si próprio sobre as demissões e polémicas que aconteceram nos oito meses de liderança com maioria absoluta. “Não pode culpar a oposição”, afirmou.

Luís Marques Mendes considerou que a remodelação feita pelo Governo na última semana “é uma salada russa”. No seu habitual espaço de análise na “SIC”, o comentador justificou esta afirmação com o facto de existir várias razões de substituições completamente diferentes umas das outras.

“Normalmente, uma remodelação tem uma linha de orientação, esta não tem linha nenhuma, é tapar buracos”, salientou Marques Mendes.

O comentador destacou que o primeiro-ministro escolheu bem António Mendonça Mendes para secretário de Estado Adjunto, realçando que toda esta remodelação “tinha de ser feita e só peca por tardia”.

De resto, Marques Mendes defendeu que são muitos casos em oito meses de Governo, com muitas demissões, polémicas e conflitos internos.

“Isto não é normal. Dá uma imagem de degradação do Governo. E essa imagem é reconhecida à direita e à esquerda. Existe esta degradação e o Governo não pode culpar a oposição. O Governo só pode queixar-se de si próprio”, sublinhou.

Recomendadas

Governo promete para abril medidas para dar força ao turismo no interior

O Governo pretende apresentar, em abril, a agenda para o Turismo no Interior, com medidas que “permitam dar força” a este setor e atraiam mais turistas nacionais e estrangeiros ao interior de Portugal.

PS considera que resultados económicos demonstram mudança estrutural

O PS considerou esta terça-feira que os mais recentes dados sobre a evolução do crescimento da economia portuguesa demonstram em estar em curso uma mudança estrutural consistente, salientando o peso recorde das exportações no Produto Interno Bruto (PIB).

“A Arte da Guerra”. “Davos é um encontro de ricos a mostrarem que têm soluções para o mundo”

Menor intromissão que o costume veio de Davos, onde os ricos mais uma vez reuniram entre si no Fórum Mundial, outra vez sem a Rússia. Veja a análise do embaixador Francisco Seixas da Costa no programa da JE TV.
Comentários