REN fecha acordo com sindicatos para novo Acordo Coletivo de Trabalho

A REN concluiu o processo negocial com a assinatura de um acordo de princípio sobre um novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que abrangerá nove empresas detidas a 100%, anunciou o grupo liderado por Rui Vilar. Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a REN explicou que o novo ACT pretende […]

A REN concluiu o processo negocial com a assinatura de um acordo de princípio sobre um novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), que abrangerá nove empresas detidas a 100%, anunciou o grupo liderado por Rui Vilar.

Em comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a REN explicou que o novo ACT pretende criar um sistema de relações coletivas de trabalho, aplicável aos trabalhadores das empresas do grupo, aumentando a equidade interna e propiciando mais eficiência na gestão dos recursos humanos.

Além disso, pretende promover “o ajustamento de práticas à atual realidade do grupo em matéria de organização do trabalho, de remuneração, de benefícios sociais e de segurança e saúde no trabalho, bem como ao novo enquadramento legal em matérias laborais”.

Em declarações à Lusa, Rui Miranda, secretário-geral adjunto do Sindel, o sindicato mais representativo na REN, considerou que se fechou “um bom acordo”, adiantando que, em dois anos de negociações, foram alcançados “importantes ganhos” desde a proposta inicial, que era “inaceitável”.

Franco Antunes, coordenador da Fiequimetal, segunda estrutura em termos de representatividade dos funcionários, disse à Lusa que a federação vai realizar plenários para ouvir os trabalhadores e tomar uma decisão final que será transmitida à empresa a 15 de dezembro, véspera da assinatura formal do novo ACT.

A proposta do novo ACT foi apresentada aos sindicatos representativos dos trabalhadores em dezembro de 2012, ano em que a REN deixou de ser maioritariamente detida pelo Estado português, depois da gestora das redes energéticas ter denunciado o documento em vigor desde 2000.

OJE/Lusa

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.