Rendeiro: falta de dinheiro na origem do fim da ligação com a advogada

A advogada do antigo presidente do BPP, que foi hoje encontrado morto na prisão de Westville, explicou que ia deixar de representar João Rendeiro no julgamento do processo de extradição devido à falta de dinheiro do ex-banqueiro.

Luís Miguel Fonseca/Lusa

Em declarações à Lusa, June Marks explicou que tomou “há um mês” a decisão de deixar a defesa de João Rendeiro devido a razões financeiras.

“Ele não tinha fundos e o Estado deveria nomear um advogado oficioso para assistência jurídica”, referiu, confirmando ter informado as autoridades sul-africanas desta situação: “Ele insistiu para eu continuar, mas não tinha fundos para pagar”.

Questionada se João Rendeiro tinha justificado a sua falta de meios financeiros com o arresto dos bens devido aos processos judiciais que enfrentava em Portugal, June Marks confirmou que esse foi, efetivamente, o argumento usado pelo antigo presidente do BPP.

A informação de que a advogada sul-africana iria deixar de ser a defensora de João Rendeiro foi adiantada ao início da tarde pelo Ministério Público sul-africano (National Prosecuting Authority, NPA), que revelou que o ex-banqueiro iria hoje comparecer em tribunal devido ao fim da representação pela advogada June Marks.

“A conferência de pré-julgamento para a audiência de extradição de João Rendeiro foi marcada para 20 de maio de 2022. Durante esta semana, o Estado recebeu uma notificação do representante legal de Rendeiro, declarando que ela irá retirar os seus serviços. O Estado requisitou então que Rendeiro comparecesse hoje no Tribunal de Verulam para que as questões jurídicas pudessem ser abordadas antes da conferência de pré-julgamento da próxima semana”, pode ler-se numa nota do NPA à comunicação social.

A sessão preparatória do julgamento do processo de extradição para Portugal iria ter lugar dentro de uma semana e as sessões do julgamento iriam decorrer entre 13 e 30 de junho.

O ex-banqueiro foi condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do BPP, tendo o tribunal dado como provado que retirou do banco 13,61 milhões de euros. Das três condenações, apenas uma já transitou em julgado e não admite mais recursos, com João Rendeiro a ter de cumprir uma pena de prisão efetiva de cinco anos e oito meses.

João Rendeiro foi ainda condenado a 10 anos de prisão num segundo processo e a mais três anos e seis meses num terceiro processo, sendo que estas duas sentenças ainda não transitaram em julgado.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.

Relacionadas

Lesados do BPP dizem que morte de Rendeiro não interfere com processos na justiça

Entre os vários processos na justiça, a associação exige a destituição da Comissão Liquidatária que “arrasta o processo há mais de dez anos, sem dar justificações e com gastos milionários”.

Advogada de Rendeiro comunicou que ia deixar de o representar

June Marks anunciou este semana que ia deixar de representar o ex-banqueiro.

Advogada de Rendeiro vai identificar o corpo e iniciar procedimentos de trasladação

A advogada de João Rendeiro revelou que foi chamada esta sexta-feira para identificar o corpo do ex-presidente do BPP, encontrado morto na prisão de Westville, em Durban, e que vai iniciar os procedimentos da trasladação para Portugal.

João Rendeiro encontrado morto na prisão (com áudio)

O antigo banqueiro estava em prisão preventiva há seis meses na África do Sul.
Recomendadas

PremiumVenda do Atlântico avança e espanhóis fora da corrida ao BPG

O pedido de compra do Atlântico Europa pelo Well Link Group está finalmente a evoluir, depois do acordo assinado no inicio de 2020. Já o BPG optou por abrir o processo competitivo de venda.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.
CEO das seguradoras Fidelidade, Tranquilidade, Ageas e Liberty

PremiumSeguradoras estão preparadas para impacto da crise

As companhias de seguros são as maiores gestoras de ativos do mundo, por isso os líderes da Fidelidade, Ageas, Tranquilidade e Liberty Europa estão mais preocupados com a forma como os investimentos serão feitos com o PRR do que com o impacto da crise nas companhias.
Comentários