Rendeiro investiu em imobiliário para obter visto de residência na África do Sul – Público

Ex-banqueiro fugiu para o país africano ainda antes de ter cadastro, ou seja antes de serem emitidos os mandados de detenção. Investimento na África do Sul garantiu-lhe uma espécie de visto Gold.

Lusa

O ex-presidente do BPP João Rendeiro, detido no sábado na África do Sul após 3 meses em fuga, pediu a autorização de residência naquele país antes de serem emitidos os mandados de detenção europeus e internacionais, e “através de um investimento imobiliário, uma espécie de visto Gold”, noticiou hoje o jornal Público.

Segundo o jornal, “as autoridades acreditam que o ex-banqueiro estava a fazer investimentos para ganhar estatuto naquele país, na tentativa de inviabilizar a extradição”. Na África do Sul, Rendeiro tinha uma autorização de residência e não dupla nacionalidade, uma condição que poderia dificultar ainda mais uma extradição.

O Público indica ainda as autoridades desconfiam que Rendeiro poderia estar “a usar documentação falsa ou que se preparava para tratar disso”. O ex-banqueiro foi detido este sábado, sem resistência, – um mês depois de lhe ter sido concedida a autorização de residência – num hotel de cinco estrelas em Durban.

Na próxima segunda-feira, 13 de dezembro, vai, segundo as autoridades sul-africanas, ser apresentado a um juiz para primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação. Só posteriormente será decidido se será, ou não, extraditado para Portugal.

Recomendadas

Presidente do TdC favorável a reativar Inspeção-Geral da Administração Local

Para o presidente do TdC, José Tavares, “o processo de descentralização não está necessariamente ligado ao fenómeno da corrupção” e garantiu, em entrevista à Lusa, que o tribunal a que preside “vai acompanhar com muita atenção este fenómeno de descentralização e os seus impactos no domínio dos recursos públicos”.

Tribunal de Contas só recusa visto a 1% dos contratos em fiscalização prévia

“Recebemos para fiscalização prévia cerca de 2.000 a 4.000 contratos por ano só para fiscalização prévia, que são os contratos com valores superiores a 750 mil euros. Desse montante, apenas a uma percentagem muito reduzida é que o Tribunal de Contas recusa o visto: cerca de 1%. Aqui está a força dissuasora da função de fiscalização prévia”, explicou.

Ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro condenado por prevaricação

O Tribunal de Braga condenou hoje a três anos de prisão, com pena suspensa, o ex-presidente da Câmara de Terras de Bouro Joaquim Cracel por ter aprovado o licenciamento de uma moradia ielgal em terreno de Reserva Agrícola Nacional (RAN).
Comentários