Renova aumenta capacidade de produção em 50% com nova máquina de papel

Máquina de papel nº 7 da Renova representou um investimento de 36 milhões de euros e deverá estar a produzir já no primeiro trimestre de 2017.

A Renova apresentou hoje a nova linha de fabricação de papel ‘tissue’ que exigiu um investimento de 36 milhões de euros.

A máquina de papel  nº 7 da Renova é um projeto tecnologicamente inovador e pioneiro na Europa, que irá permitir aumentar em 50% a capacidade de produção da empresa, estando o início de produção previsto para o primeiro trimestre de 2017.

Segundo um comunicado oficial da empresa, “este investimento da Renova dá continuidade ao plano de expansão industrial da empresa portuguesa, que recentemente, também anunciou a instalação de uma nova fábrica em França”.

O evento de apresentação contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa; do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral; do secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos; do presidente da AICEP, Miguel Frasquilho; e do Presidente da Câmara Municipal de Torres Novas, Pedro Ferreira, entre outras entidades.

Atualmente com duas fábricas localizadas em Portugal e uma terceira em França, com escritórios em Portugal, Espanha, França e Bélgica, a Renova pretende flexibilizar a sua capacidade de resposta nos mercados onde está presente, fazendo crescer o volume das suas exportações.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

BdP aponta a crescimento de 6,7% e inflação de 7,8% este ano

As atualizações de outubro das projeções macro do banco central mostram revisões em alta em relação aos 6,3% de crescimento e 5,9% de inflação projetados em junho, com o consumo privado e o turismo a apoiarem a recuperação.

Vendas a retalho caem 0,3% na zona euro e 0,2% na UE em agosto

Comparativamente com o mês de agosto do ano passado, registaram-se quedas mais acentuadas, na ordem dos 2,0% e 1,3% respetivamente, de acordo com o Eurostat. Em Portugal, porém, a evolução foi positiva, quer face a julho do presente ano, quer face a agosto de 2021.
Comentários