Repsol investe 105 milhões na primeira fábrica da Península Ibérica de “polietileno de ultra alto peso molecular”

A Repsol irá investir 105 milhões de euros para construir a primeira fábrica de “superpolímeros” em Espanha. O anúncio foi feito em comunicado.

A Repsol irá investir 105 milhões de euros para construir a primeira fábrica de “superpolímeros” em Espanha. O anúncio foi feito em comunicado.

A empresa espanhola anuncia o seu investimento, no valor de 105 milhões de euros, para construir a primeira fábrica de polietileno de ultra alto peso molecular (UHMWPE) que será construída no seu Complexo Industrial de Puertollano e terá uma capacidade de produção anual de até 15 kt. Esta será  a primeira fábrica da Península Ibérica a ser capaz de fabricar UHMWPE. A entrada em funcionamento está prevista para o final de 2024.

“A fábrica irá utilizar a tecnologia DSM, permitindo à Repsol tornar-se um produtor de UHMWPE com uma tecnologia robusta e provada”, diz a empresa.

Este investimento “vai permitir à Repsol oferecer ao mercado uma gama inicial de 4 graus. Estes 4 graus cobrirão todos os pesos moleculares, com uma dimensão média de partículas de 150 microns produzidas em forma de pó”.

“Esta vasta gama de pesos moleculares irá satisfazer as necessidades das principais aplicações, tais como separadores de baterias de iões de lítio, perfis de construção, revestimentos, peças para proteção pessoal e militar e aplicações médicas tais como próteses, implantes ou filtros de diálise”, refere a Repsol.

A empresa diz que “está a aumentar a sua carteira de produtos com este material, considerado um ‘superpolímero’, pela sua alta tenacidade, superior ao aço, alta resistência ao impacto e capacidade de auto-lubrificação, entre outras propriedades”.

A Repsol explica que  se trata de “um material altamente diferenciado, de alta tenacidade, superior ao aço, alta resistência ao impacto e auto-lubrificação”.

 

Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.

ANJE com concessionária Norscut e Egis escolhem quatro propostas para melhorar autoestrada A24

O valor do prémio em concurso era de 30 mil euros, sendo atribuídos dois prémios por categoria – o valor do 1.º prémio era de 10 mil euros e do 2.º prémio de 5 mil euros.
Comentários