Requiem à imprensa

De que adianta a publicidade institucional em jornais que não vão vender na banca? Receber dinheiro do Governo é apenas um cuidado paliativo numa morte anunciada.

A anunciada compra antecipada de publicidade institucional pelo Governo para apoiar os órgãos de comunicação social no valor de 15 milhões de euros levanta muitas questões. Dos 15 milhões, 75% serão destinados a órgãos nacionais de informação generalistas e os restantes 25% atribuídos à imprensa regional, no intuito de ajudar o sector dos media.

A primeira questão é o critério de atribuição desse mesmo montante. Segundo a ministra da Cultura, Graça Fonseca, os espaços de publicidade institucional serão orientados para campanhas da Direção-Geral da Saúde e outras instituições de saúde pública, causas sociais e humanitárias ou programação cultural, e o valor será distribuído “face ao que cada um representa no setor da comunicação social em Portugal”, de acordo com a lei da publicidade institucional.

Que critérios vai o Governo aplicar, afinal? Não há forma de não ser directa nesta questão, depois de no passado termos assistido a uma tentativa do primeiro-ministro socialista José Sócrates de controlar a imprensa da forma mais ignóbil. Esta medida deve ser escrutinada sem complacências, em prol da transparência da comunicação social.

A segunda questão prende-se com as propostas a nível fiscal já reivindicadas pela comunicação social, a isenção de IVA nas assinaturas e nas vendas em banca, às quais o executivo não se comprometeu. A resposta da ministra, de que “ainda não é o momento de falarmos de mais medidas”, demonstra a ineficácia desta proposta.

De que adianta a publicidade institucional em jornais que não vão vender na banca? Seria bastante mais eficaz apostar nos leitores, oferendo-lhes assinaturas de valor reduzido e preço mais competitivo. Caímos na velha parábola de oferecer o peixe em vez de ensinar a pescar. No fim, vão sofrer os jornalistas, que ficarão sem os seus postos de trabalho, e o leitor, que ficará sem uma imprensa forte.

Última questão. Será correto o Governo distribuir 15 milhões pelas empresas de comunicação social quando o mesmo não ocorre noutros sectores? Para mais quando o Governo nunca cumpre os pagamentos a tempo e horas a muitas empresas, nomeadamente as da área da Saúde. Será o modelo de comprar publicidade o mais legítimo, sendo uma medida aprovada pelo Conselho de Ministros e não pelo Parlamento, numa verba três vezes superior ao que estava previsto no Orçamento do Estado para 2020?

Com uma quebra abrupta de 50% na publicidade, o sector da comunicação enfrenta uma crise sem precedentes, mas a salvação não advém deste tipo de medidas. Receber dinheiro do Governo é apenas um cuidado paliativo numa morte anunciada, neste caso do próprio jornalismo. Os compadrios, atropelos ao código deontológico e a fraca aposta no jornalismo de investigação de qualidade, têm ditado o afastamento dos leitores. Os modelos de funcionamento terão de ser revistos para que o requiem à imprensa não seja ouvido.

Recomendadas

Mudar o futuro coletivo

Os professores devem assumir um papel ativo nas novas abordagens pedagógicas. Só desta forma será possível responder às questões de fundo do século XXI.

O Orçamento do Estado para 2023 e as empresas

A proposta de Orçamento do Estado para 2023 vai ser conhecida no próximo mês e os temas relacionados com as empresas prometem ser um dos pontos fortes do documento, a começar por uma eventual descida do IRC.

Precisamos de notícias positivas

Os gestores têm de pensar se querem mais dívida dentro das empresas quando se espera uma redução da atividade económica no próximo ano
Comentários