Reserva Federal admite reduzir a compra de dívida em novembro e acabar em 2022

A discussão foi revelada com a publicação hoje das minutas da reunião do comité de política monetária da Fed (FOMC, na sigla em Inglês) realizada em 21 e 22 de setembro.  

4 – Estados Unidos

Os dirigentes da Reserva Federal (Fed) concordaram na sua última reunião que, se a economia norte-americana continuar a melhorar, podem começar a reduzir o programa de compras mensais de títulos de dívida em novembro e encerrá-lo em meados de 2022.

A discussão foi revelada com a publicação está quarta-feira das minutas da reunião do comité de política monetária da Fed (FOMC, na sigla em Inglês) realizada em 21 e 22 de setembro.

“Os participantes avaliaram de forma geral que a recuperação económica continua, (pelo que) um processo gradual de redução (dos apoios) que acabe em meados do próximo ano deveria ser apropriado”, segundo o texto disponibilizado.

No final de dezembro, a Fed anunciou que iria comprar 120 mil milhões de dólares (104 mil milhões de euros) por mês em títulos de dívida, até que a economia apresentasse sinais de “progresso substancial” na direção dos seus objetivos, de pleno emprego e uma taxa de inflação média de dois por cento.

A compra de títulos de dívida pretende estimular a concessão de crédito, ao manter baixas as taxas de juro de longo prazo.

A Fed também tem mantido a sua principal taxa de juro próxima de zero por cento, no intervalo entre zero e 0,25%.

 

Recomendadas

PremiumMercados somam e seguem

Índices acionistas encerram em alta em novembro, somando segundo ganho mensal consecutivo.

Wall Street encerra semana apenas com Dow Jones a negociar em terreno positivo

Ao final do dia em Wall Street, o Dow Jones soma 0,10% para 34.429,88 pontos, o S&P 500 perde 0,13% para 4.071,45 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,18% para 11.461,50 pontos. 

Euro regista ligeira valorização e segue acima de 1,05 dólares

Lisboa, 02 dez 2022 (Lusa) – O euro subiu hoje ligeiramente e mantinha-se a negociar acima de 1,05 dólares, após a divulgação de números melhores do que o previsto sobre a criação de emprego nos Estados Unidos.
Comentários