PremiumReserva Federal deu tiro de partida, mas arsenal do BCE é escasso

Lagarde não tem uma ‘bazuca’ para disparar contra os efeitos do vírus, portanto vai ter de anunciar um combate direcionado, dizem analistas.

“O Banco Central Europeu (BCE), à semelhança dos outros bancos centrais como a Reserva Federal, o Banco do Canadá e o Banco do Japão, será compelido a agir de alguma forma”, afirma Miguel Gomes da Silva, head of treasury and trading do Montepio.

Com o surto do coronavírus a propagar-se rapidamente pelo mundo, Christine Lagarde, presidente do banco central da zona euro, já havia sinalizado na segunda-feira que teria de agir. Reconhecendo que o Covid-19 cria riscos para as perspetivas económicas e o funcionamento dos mercados financeiros, a francesa adiantou que o BCE está pronto a tomar as medidas “apropriadas e direcionadas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumRede 5G, um ano e quatro mil antenas depois

Portugal arrancou com a tecnologia de quinta geração a 26 de novembro. NOS, a primeira a lançar, revela que conta com 3.200 estações instaladas.

PremiumOptimize promove conferência que ensina a poupar e investir

Evento promove a literacia financeira, a poupança e o investimento e realiza-se em Lisboa a 3 de dezembro. O JE será media partner.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários