Reserva Federal diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Federal norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

“O momento de abrandar o ritmo das subidas das taxas de juro pode chegar já na reunião de dezembro”, assinalou Jerome Powell, presidente da Reserva Federal (Fed) norte-americana, mas recordou ao meso tempo ser “provável” que as taxas de juro se mantenham em alta “durante algum tempo” para conter a inflação.

Num discurso proferido na Brookings Institution, o presidente da Fed disse que um aumento menor do que o esperado não deve ser interpretado como um sinal de que o banco central norte-americano vai deixar de combater a inflação. Nem seria de ponderar tal situação.

Powell reconheceu que existem boas notícias no que se refere à inflação, com descidas no custo dos bens, como automóveis, móveis ou eletrodomésticos, e antecipou um possível recuo nos custos associados às rendas e outros encargos com as casas, a ocorrer em 2023.

No entanto, lembrou que os custos dos serviços, como assistência médica e restauração, ainda estão a avançar rapidamente e que deverá ser mais difícil controlá-los. “Temos um longo caminho a percorrer para assegurar a estabilidade dos preços”, vincou.

No que se refere ao aumento dos salários, o presidente da Fed disse que está “acima dos níveis consistentes com uma inflação de 2%”.

O relatório da inflação, reportado a outubro, mostra que os preços ascenderam 7,7%, face ao ano anterior, penalizando o orçamento de muitas famílias. Porém, esta subida está abaixo dos 9,1% de junho. Este ano, a Fed já subiu por seis vezes a sua taxa diretora.

Em setembro, a Reserva Federal antecipou que a taxa a curto prazo poderia crescer para entre 4,5% e 4,75% no próximo ano, mas Powell já disse que o crescimento poderia ser superior.

Relacionadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Governos como o português tomam medidas que perpetuam a inflação”

Henrique Tomé, analista do XTB, analisou no programa da plataforma multimédia JE TV, o efeito da implementação de pacotes de estímulos às famílias por parte de Governos como o português num contexto de subidas de taxas de juro por parte do BCE e dos outros bancos centrais.

IGCP quer alargar rede de distribuidores dos certificados de aforro para contornar desinteresse da banca

O presidente do IGCP sublinhou na COF o interesse em alargar a rede de distribuidores, de forma a contornar também, o que disse ser, o desinteresse da banca.

PSI fecha no ‘vermelho’ em contraste com as bolsas europeias

Os CTT lideram as perdas no índice da bolsa de Lisboa, seguido pela Galp e pela Jerónimo Martins, numa sessão em que os barris de brent e crude voltaram a encarecer.
Comentários