Resíduos “italianos” podem ser depositados em aterro “português”

A Inspeção Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) garantiu hoje que os resíduos provenientes de Itália podem ser depositados em aterro em Portugal, por não serem perigosos.

“A IGAMAOT notificou esta tarde o Centro Integrado de Tratamento de Resíduos Industriais (responsável pelo aterro de resíduos não perigosos de Setúbal) que, com base nos resultados das diversas análises efetuadas aos resíduos provenientes de Itália, estes podem ser depositados em aterro”, refere, em comunicado, aquela inspeção-geral.

Segundo a nota, a decisão foi tomada depois de “diligências efetuadas pela IGAMAOT e pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA)”, nomeadamente análises à caracterização física dos resíduos e ao Carbono Orgânico Dissolvido.

“A IGAMAOT, após consulta à APA, que é a autoridade nacional de resíduos e responsável pelo licenciamento ambiental, considera que o aterro em questão está tecnicamente preparado para receber aqueles resíduos e que a licença ambiental respeitante àquele tipo de resíduos (não perigosos) assim o permite”, sublinha no comunicado.

A Inspeção-Geral acrescenta que os resultados comunicados “permitem prosseguir os procedimentos com vista à deposição dos resíduos rececionados no aterro previsto”.

Recomendadas

Governo francês de Macron prioriza apoio às classes médias trabalhadoras

“Vamos concentrar mais as nossas ajudas para os franceses que trabalham e que se levantam cedo”, declarou o ministro de Ação e Contas Públicas, Gabriel Attal, que insistiu que se deve “agir para favorecer o trabalho” na França.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.
Comentários