Responsável do BdP assume supervisão comportamental mundial

Lúcia Leitão foi nomeada vice-presidente da organização que reúne as autoridades de supervisão comportamental de todo o mundo.

A diretora do Departamento de Supervisão Comportamental do Banco de Portugal vai assumir a vice-presidência da Organização Internacional para Proteção do Consumidor Financeiro (FinCoNet), uma organização reconhecida pelo G20 e que está secretariada na OCDE.

De acordo com o comunicado do Banco de Portugal, a nomeação foi anunciada na reunião anual da FinCoNet, que decorreu em Jacarta, na Indonésia, entre 15 e 17 de novembro.

A FinCoNet reúne autoridades de supervisão comportamental de todo o mundo “e tem como objetivo promover boas práticas relacionadas com a conduta em mercado e a proteção dos consumidores bancários e de crédito, contribuindo para reforçar a confiança nos mercados financeiros”, explica o regulador.

Lúcia Leitão é a responsável do Banco de Portugal pela Supervisão Comportamental desde 2008, data da constituição deste pelouro.

Esta é aliás a segunda nomeação de uma supervisora nacional para um cargo internacional na última semana. Também Gabriela Figueiredo Dias, que assume a presidência da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários a 30 de novembro, vai assegurar a vice-presidência do Comité de Corporate Governance da OCDE.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários