Resposta das empresas ao risco cibernético vai estar hoje em debate

A aceleração do processo de digitalização, como resposta aos desafios colocados pela pandemia de Covid-19, ampliou a dimensão digital de cidadãos e de organizações, que tomou proporções sem precedentes e, consequentemente, fez com que a sua exposição ao risco cibernético aumentasse, o que se traduziu na afirmação da tendência de crescimento do número de casos reportados.

A aceleração do processo de digitalização, como resposta aos desafios colocados pela pandemia de Covid-19, ampliou a dimensão digital de cidadãos e de organizações, que tomou proporções sem precedentes e, consequentemente, fez com que a sua exposição ao risco cibernético aumentasse, o que se traduziu na afirmação da tendência de crescimento do número de casos reportados.

Esta nova realidade tem alterado a perceção sobre o risco cibernético e obrigado à adaptação, tanto de particulares como de empresas, através da promoção de processos e comportamentos e da procura de soluções tecnológicas para garantir a segurança. A mediatização de ataques informáticos a grandes empresas e sistemas tornou ainda mais presente a necessidade de a cibersegurança ser um tema prioritário, essencial para o desenvolvimento de qualquer atividade, reafirmando a sua importância no quadro das organizações empresariais.

Este será o ponto de partida para a conferência “Cibersegurança: a Renovada Prioridade das Empresas”, que será transmitida esta quarta-feira, 27 de abril, a partir das 10h00, e contará com a participação de Pedro Norton Barbosa, CEO da Multicert; de Miguel Dias Fernandes, partner da PwC; e de Ricardo Pires da Silva, diretor-executivo de Vendas de Soluções Cloud da Microsoft Portugal.

Nesta conferência, de que o Jornal Económico é media partner, vamos procurar saber como evoluiu o risco cibernético durante a pandemia que ainda estamos a atravessar e ver como esse risco é percebido por particulares e organizações.

Vamos, também, discutir os obstáculos que se apresentam nos processos de adaptação das empresas e como estas respondem a desafios como os da proteção da produtividade ou da promoção da literacia digital. Vamos, ainda, conhecer como as organizações estão a proteger-se e de que soluções tecnológicas e estratégias podem socorrer-se para cumprir os seus objetivos. Finalmente, vamos conhecer quais são, na perspetiva dos participantes, as principais tendências de desenvolvimento e o que podemos esperar no futuro próximo.

A conferência “Cibersegurança: a Renovada Prioridade das Empresas” é transmitida através da plataforma Microsoft Events, em mktoevents.com, e estará acessível mediante registo.

Será noticiada pelo Jornal Económico em www.jornaleconomico.pt e na próxima edição impressa.

 

Relacionadas

Escalada do risco cibernético reacende preocupações na banca

“Os bancos estão cada vez mais digitais, mas também mais expostos a possíveis riscos”, afirma Pedro Pereira, sócio da Boston Consulting Group em Portugal. Especialista diz que investimento na prevenção “tem sido insuficiente”.

Cinco maiores bancos têm seis milhões de clientes digitais ativos

O número de clientes digitais volta a crescer em 2021. Os cinco maiores bancos – CGD, BCP, Novobanco, Santander Totta e BPI – somam quase seis milhões de clientes digitais ativos.

Cibersegurança. Especialistas avisam que ataques informáticos vão continuar no futuro

Responsáveis defendem que os hackers vão continuar a utilizar as suas “skills” para ganharem dinheiro no mercado negro e que apesar da competência das autoridades policiais, estas não chegam a todo o lado. “Não podemos ter um polícia informático em cada esquina”.

Polícia britânica deteve sete hackers suspeitos de ataques ao Expresso e SIC (com áudio)

Polícia londrina deteve e depois libertou sete pessoas com idades entre os 16 e os 21 anos, mas as investigações continuam. Líder do grupo de hackers tem 16 anos de idade e vive no Reino Unido. Outro dos membros poderá ser um adolescente brasileiro, que vive no seu país, cuja perícia no hacking levou os peritos a acreditar que se trataria de uma máquina e não de um humano.
Recomendadas

Alteração da percepção de risco foi ponto positivo da pandemia, destaca responsável da Prévoir Portugal

No painel “Novos Paradigmas: ramo vida e seguros de pensões”, do Fórum Seguros organizado pelo Jornal Económico, debateram-se as perspectivas de futuro para estes dois ramos. A literacia financeira mas também as exigências dos novos consumidores são temas que estão no foco das seguradoras.

“Não é possível fazer tudo de uma vez”, diz EBA sobre medidas ambientais, sociais e de governança

“Há que haver um trabalho sequencial apropriado, com ferramentas que ajudem tanto bancos como reguladores a fazerem o seu trabalho. É importante manter um alto nível de ambição na incorporação de critérios ESG”, diz Dorota Siwek, líder de riscos ESG da Autoridade Bancária Europeia.

Fórum Banca. Veja o maior encontro anual do sector financeiro, organizado pelo JE e PwC

Encontro do sector financeiro nacional contará com a participação do governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, bem como dos líderes dos seis maiores bancos nacionais. Sustentabilidade será o tema forte da edição deste ano do Fórum, que contará com uma convidada especial, Dorota Siwek, responsável pela área de ESG da Autoridade Bancária Europeia. Veja em direto.
Comentários