Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre a maior reforma fiscal em três décadas nos EUA?

O Presidente dos EUA assinou, esta sexta-feira, a reforma fiscal aprovada esta semana pelo Congresso, onde os republicanos detêm a maioria, e pelo Senado, depois de intensas negociações. Conheça as principais alterações.

A maior reforma fiscal realizada nos últimos 30 anos nos Estados Unidos já é uma certeza. Foi assinada pelo Presidente Donald Trump três dias antes do Natal.

O que é e o que traz de novo a reforma fiscal?

Esta reforma fiscal, a mais ambiciosa dos últimos 30 anos nos Estados Unidos, inclui uma baixa significativa de impostos sobretudo para as empresas e os mais ricos, mas também traz algum desagravamento fiscal aos trabalhadores e famílias. Grande triunfo legislativo do primeiro ano do mandato de Donal Trump como Presidente, é acusada pelos seus detratores de beneficiar os mais privilegiados pela sociedade.

Qual a principal implicação para as empresas?

O imposto pago pelas empresas passa de 35% para 21%. Cai, portanto, uns significativos 14 pontos percentuais.

Os impostos também baixam para as pessoas singulares?

Sim. No imposto sobre o rendimento das pessoas singulares mantêm-se os sete escalões, mas o mais elevado cai de 39,6% para 37%.

Segundo a Bloomberg, por exemplo, que cita os republicanos, um agregado familiar com quatro pessoas e um rendimento de 73 mil dólares, que é o rendimento médio nos EUA, terá um corte médio na ordem dos 2.000 dólares. Mas a redução beneficia igualmente os rendimentos superiores a 600 mil dólares/ano, estimando-se que os norte-americanos que integram os 1% mais ricos beneficiem de um corte médio de 51.000 dólares.

 Quanto custa aos cofres do Estado?

A aprovação final do documento representa uma perda de receita fiscal de 1,5 biliões de dólares, o equivalente a 1,3 biliões de euros, nos próximos 10 anos.

Como estão a reagir as empresas?

Aplaudem. O operador de telecomunicações  AT & T prometeu que se o Presidente dos EUA assinasse a lei antes do Natal, o que efectivamente aconteceu, distribuiria um bónus de 1000 dólares, o equivalente a 842 euros, pelos seus mais de 200 mil efectivos. Já fez saber que vai cumprir.

 

Relacionadas

Trump assina reforma fiscal que corta receita em 1,5 biliões de dólares

Já tinha sido aprovada na Câmara dos Representantes, seguiu para o Senado e também passou mas só agora foi assinada por Trump. Reforma fiscal já é uma realidade.

Criptomoedas, impostos e volatilidade vão determinar investimentos em 2018

Depois de um ano de ganhos, 2018 poderá trazer correções nas ações globais. Apesar disso, os gestores de ativos vêem um futuro risonho para a Europa.

Reforma fiscal de Trump cada vez mais perto de avançar após ‘sim’ do Senado

Na rede social Twitter, o presidente norte-americano explicou que se a reforma for aprovada haverá uma conferência de imprensa na Casa Branca, aproximadamente às 13 horas [hora local].

Reforma fiscal de Donald Trump aprovada na Câmara dos Representantes

Com 227 votos a favor e 203 contra, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou a reforma fiscal proposta pelo presidente Donald Trump. Segue-se a votação no Senado, esta noite (madrugada em Portugal).

Taxa de aprovação de Trump atinge mínimo histórico de 35%

A cerca de um mês do primeiro aniversário da sua tomada de posse como presidente dos EUA, Donald Trump regista a mais baxa taxa de aprovação para um presidente norte-americano no primeiro ano de mandato. A maioria dos inquiridos em sondagem da CNN opõe-se à reforma fiscal de Trump.
Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários