Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Baz Ratner/REUTERS

O que é a Raríssimas?

É uma associação que tem por missão apoiar as pessoas que padecem de doenças raras e seus familiares. Em Portugal existem 800 mil pessoas portadoras de doenças raras e a associação procura dar uma “resposta inovadora às necessidades dos portadores de patologia rara, famílias, cuidadores e amigos”, segundo a informação que consta da sua página oficial. Liderada por Paula Brito da Costa, a Raríssimas vive de apoios do Estado e de donativos de particulares. Em 2016, a associação recebeu cerca de um milhão de euros em apoios estatais.

Porque está a Raríssimas a ser alvo de críticas?

A reportagem da jornalista Ana Leal trouxe a público detalhes sobre a gestão da associação. Com testemunhos de antigos elementos da direção da Raríssimas, dá conta de despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa. A reportagem dá ainda conta de que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. O marido e o filho de Paula Brito e Costa trabalham na associação e, na reportagem, a presidente aparece num vídeo a dizer que são “os seus olhos e ouvidos” na Raríssimas. “O meu filho é o herdeiro da parada”, afirma Paula Brito e Costa num dos vídeos que passaram na reportagem.

O que diz a Raríssimas sobre as acusações?

A associação diz que a peça da TVI é “jornalismo de emboscada” e que assenta em “acusações insidiosas” e “informações manipuladas”, divulgadas fora do contexto. “Todas as acusações apresentadas nesta reportagem são insidiosas e baseadas em documentação apresentada de forma descontextualizada”, garantiu a Raríssimas em comunicado.

O que diz o Governo sobre o assunto?

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, terá tido conhecimento das alegadas irregularidades na Raríssimas, segundo a TVI. O ex-tesoureiro da associação, Jorge Nunes, pediu a intervenção de Vieira da Silva, numa carta enviada a 12 de outubro. Além da intervenção direta do ministro, Jorge Nunes terá pedido uma inspeção do Instituto da Segurança Social à Raríssimas em, pelo menos, três cartas datadas de 9 agosto, 15 e 21 de setembro. Todas sem resposta, tanto da parte do Instituto da Segurança social como da tutela. A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social disse que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Relacionadas

Raríssimas: Ministro Vieira da Silva conhecia irregularidades desde outubro

O Ministério da Segurança Social disse, em comunicado, que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Marques Mendes: “Impunha-se mandar fazer já uma inspeção pelo Instituto da Segurança Social à Raríssimas”

O comentador levou neste domingo à SIC os temas da Associação Raríssimas; a ida de Centeno para o Eurogrupo e impacto na política nacional; o debate parlamentar com a ausência das perguntas dos deputados sobre o parecer da PGR pedido por António Costa sobre o julgamento de Manuel Vicente.

Governo vai avaliar a situação da associação Raríssimas e agir em conformidade

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”, após a denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira e de uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.

Onda de repúdio pela Raríssimas nas redes sociais

A eventual utilização de fundos da associação sem fins lucrativos para gastos pessoais por parte da sua presidente está a deixar os portugueses irritados, apesar da sucessão de ocorrências do género. O Ministério Público já está a avaliar a situação.
Recomendadas

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Respostas Rápidas: Que jogadores de Portugal mais podem valorizar neste Mundial?

Da baliza ao ataque, da Luz ao Dragão passando por Madrid, a prestação da Seleção portuguesa no Mundial pode dar muito a ganhar em 2023, sobretudo aos clubes que “emprestam” os seus melhores ativos para a prova de seleções de excelência a nível mundial. Saiba que jogadores poderão sair mais valorizados com a promessa das milhões para o fecho de contas do primeiro semestre da temporada.

Respostas Rápidas: Qual o universo de créditos à habitação abrangidos pelo diploma do Governo?

O Ministério das Finanças publicou um conjunto de perguntas e respostas que procura responder de forma simples a dúvidas sobre o diploma que mitiga os custos com o crédito à habitação. Nele traça um universo potencial de aplicabilidade da medida. Há cerca de 2,1 milhões de devedores com empréstimo à habitação, dos quais 90% têm contratos com taxa de juro variável. 
Comentários