Respostas Rápidas: Por que acabou a separação das famílias de imigrantes nos EUA?

Depois da acumulação de críticas vindas de todos os quadrantes, a administração Trump acabou por aceitar alterar a lei que permitia a separação entre pais e filhos de imigrantes ilegais.

O que fez Trump mudar a lei?

Essencialmente, as repercussões que o assunto teve no que respeita à política interna. O presidente Donald Trump tem mostrado, a par de um tendencial desprezo pela sua imagem externa, uma preocupação apurada por aquilo que os norte-americanos pensam das suas opções políticas. As críticas vieram de todo o lado: dos democratas, dos movimentos cívicos e até de algumas franjas dos republicanos. É bem sintomático desta diferença entre política interna e externa o facto de a questão da separação das famílias ter tido consequências tão profundas, ao mesmo tempo que a decisão de os Estados Unidos abandonarem o Conselho dos Direitos Humanos da ONU ter sido observada como muito aceitável.

Quantos menores foram afastados das suas famílias?

Os números não são oficiais, mas a comunicação social norte-americana avança que mais de 2.300 menores de idades terão sido separados das suas famílias nas últimas cinco semanas. A lei estabelecia que imigrantes ilegais adultos são obrigados a responder em processos criminais. Por isso, os menores que chegavam com os pais eram separados e levados para abrigos sob custódia do federal.

A alteração da lei pressupõe uma maior abertura face à imigração?

Não. Trump, ao concordar com a alteração do quadro legislativo que permitirá a permanência dos filhos junto dos pais que tentam entrar no país, não deixou de esclarecer que a intolerância da sua administração face às tentativas ilegais de os imigrantes entrarem no país continuarão a ser observadas como um crime e punidas como tal.

Na prática, o que mudou desde esta quarta-feira?

Apenas isso: a separação das famílias. Segundo a ordem agora assinada pelo presidente, famílias imigrantes que entrarem ilegalmente nos Estados Unidos serão detidas juntas. Trump mandou o Departamento de Defesa tomar as medidas para acolhê-las de uma forma que permita a sua permanência em conjunto. Segundo o decreto, o Departamento de Segurança Interna (DHS) será responsável por todo o processo com as famílias de imigrantes ilegais, substituindo assim a anterior responsabilidade dos departamentos de Justiça e de Saúde, como estipulava a lei agora alterada. Mas a ordem executiva não muda nada para famílias já separadas, disse o porta-voz do Departamento de Saúde, Kenneth Wolfe: “não haverá retroatividade para casos já existentes”.

O que disse o presidente sobre o assunto?

“Estamos a assinar uma ordem executiva. Considero que é uma ordem executiva muito importante. É sobre manter as famílias unidas e, ao mesmo tempo, ter a certeza de que temos uma fronteira muito forte.”

Relacionadas

Número de refugiados admitidos nos EUA caiu 70% sob a administração Trump

O número de refugiados aceites sob a Administração Trump é ainda mais baixo do que a meta estabelecida após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Administração Trump recua na lei de separação das famílias de imigrantes

Os Estados Unidos vão deixar de separar crianças dos pais imigrantes na fronteira, após o presidente Donald Trump ter assinado esta quarta-feira uma ordem executiva para acabar com a separação de crianças dos pais imigrantes.

“Vergonha, vergonha, vergonha”. Secretária da Segurança Interna dos EUA apupada em restaurante

Secretária da Segurança Interna dos Estados Unidos, responsável pela separação de crianças das suas famílias, na fronteira com o México, foi apanhada por manifestantes num restaurante mexicano.
Recomendadas

“Ameaça russa” leva países nórdico-bálticos a reerguer defesas da Guerra Fria

A “ameaça russa” está a levar os países da região nórdico-báltica a reconstruir infraestruturas de defesa que tinham sido abandonadas com o fim da Guerra Fria, reconhecem analistas.

Antigo PM britânico David Cameron defende que países pobres desenvolvam energias fósseis

O antigo primeiro-ministro britânico David Cameron acusou hoje em Londres de “hipocrisia” a comunidade internacional por estar a pressionar países em desenvolvimento a não investir em combustíveis fósseis devido às alterações climáticas.

Tribunal russo proíbe movimento de protesto Vesná declarando-o extremista

Um tribunal russo declarou hoje como organização extremista o movimento Vesná (‘Primavera’), que organizou protestos em todo o país contra a mobilização parcial para combater na Ucrânia, decretada em setembro passado pelo Presidente Vladimir Putin.
Comentários