Respostas Rápidas: Porque andam as ações da Pharol numa montanha russa?

A quinta versão do plano de recuperação judicial da Oi prevê reduzir a dívida total em 50% e tornar os obrigacionistas em donos de 70 a 75% da empresa, o que são notícias negativas para os acionistas actuais da Oi e da Pharol.

Luís Palha da Silva, CEO da Pharol

As ações da Pharol (ex-PT SGPS), que ficou com 27% da Oi e com os créditos de quase 900 milhões de euros sobre a falida Rioforte, têm andando numa autêntica montanha russa. Hoje o título da empresa liderada por Luís Palha da Silva subiu 4,26% e fechou nos 0,269 euros, um dia depois de ter caído 10%. Tudo graças às constantes peripécias em torno do Plano de Recuperação Judicial da Oi. A Pharol que tem hoje 27% do capital da Oi e Nelson Tanure, com 6,5 % são os principais afectados com a nova versão de seu plano de recuperação judicial aprovado pela Oi.

Ainda assim as ações da Pharol acumulam um ganho desde o início do ano de 29,95%.

O que diz o novo Plano de Recuperação Judicial?

A Oi apresentou na noite de terça-feira, 12, o seu novo Plano de Recuperação Judicial, visando a pacificação entre acionistas e credores. Desta vez prevê a conversão da dívida em até 75% do capital da companhia, além de um aumento de capital (mais pequeno do que o previsto no plano anterior) de 4 mil milhões de reais [1,02 mil milhões de euros].

De acordo com os novos termos da proposta, o plano de recuperação vai permitir à operadora brasileira reduzir a dívida para metade, dos 64 mil milhões de reais (16 mil milhões de euros) para 32 mil milhões (oito mil milhões), somando já as dívidas relacionadas com as multas aplicadas pelo regulador brasileiro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Perguntámos ao gestor do BiG, Steven Santos, as razões desta volatilidade do título.

Porque caem as ações da Pharol?
A Pharol está a ajustar o impacto negativo motivado pela diluição de capital prevista pelo plano de recuperação da Oi. Sem actividade operacional que pudesse gerar liquidez suficiente para acompanhar o aumento de capital, a posição da Pharol na Oi deverá ser significativamente reduzida.

A ação da Oi regressou ontem aos mínimos do ano, comportamento que a Pharol está a replicar. A quinta versão do plano de recuperação judicial prevê reduzir a dívida total em 50% e tornar os obrigacionistas em donos de 70 a 75% da empresa, o que são notícias negativas para os accionistas actuais da Oi e da Pharol.

 

 

Relacionadas

Ganhos da Pharol e retalho invertem sentimento negativo do PSI 20

Índice nacional negoceia a somar 0,15% para 5.363,83 pontos, impulsionado pela Pharol e do setor do retalho.

Novo plano de reestruturação da Oi pode levar Pharol a ficar só com 6,75%

Novo plano de recuperação judicial da Oi prevê a conversão de dívidas em até 75% do capital.

Norges Bank reduz novamente participação na Pharol

Ao longo do ano, o fundo soberano da Noruega tem vindo a diminuir a participação no capital da operadora portuguesa. Nova alienação de parte do capital decorreu esta segunda-feira.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários