Respostas Rápidas: Qual o impacto que a saída do Qatar terá para a OPEP?

O ministro da Energia do Qatar, Saad Al-KaabiChakib Khelil, anunciou esta segunda-feira que o país vai deixar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em janeiro do próximo ano. Saiba o que está em causa com esta saída.

Porque é que o Qatar vai deixar a OPEP?

A decisão do Qatar em deixar a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) foi anunciada pelo ministro da Energia, Saad Al-Kaabi. Segundo o governante, o reino vai focar-se na produção do gás natural liquefeito, ao invés do petróleo, no qual afirma que não tem tanto “potencial” como no que toca ao gás. A saída da OPEP está marcada para janeiro do próximo ano, mas ainda assim, o Qatar vai continuar a produzir petróleo.

Qual o impacto que esta saída terá para a OPEP?

O Qatar é um dos país com produção anual de petróleo mais baixa entre os 15 membros da organização e o que tem a produção mais baixa entre os países do Golfo Pérsico. O relatório de novembro da OPEP mostra que, em 2018, o país produziu, em média, cerca de 600 mil barris por dia, enquanto a Arábia Saudita (o maior produtor de petróleo) produziu, em média, 11 milhões por dia. O chairman da OPEP, Chakib Khelil, diz que esta saída terá sobretudo um “impacto psicológico” tendo em conta o confronto político entre o Qatar e os vizinhos.

De que forma a tensão entre o Qatar e os países vizinhos pode ter influenciado esta decisão?

Esta decisão surge no meio de uma deterioração da situação política entre o Qatar e seus vizinhos. Em junho do ano passado, cinco estados muçulmanos – o Bahrein, o Egito, a Arábia Saudita, o Iémen e os Emirados Árabes Unidos – cortaram relações diplomáticas com o Qatar, por suspeitas de terrorismo. Apesar de o Qatar ter negado as acusações, o boicote à economia do país veio dificultar o acesso a produtos e matérias-primas essenciais para o país, assim como as entradas e saídas do país. No entanto, o ministro da Energia do Qatar insiste que a decisão de deixar a OPEP, à qual o país aderiu em 1961, não está relacionada com o boicote político e económico.

O que pensa a OPEP sobre esta decisão?

chairman da OPEP teme que esta decisão possa servir “de exemplo a ser seguido por outros membros, face a decisões unilaterais da Arábia Saudita”. “O momento pode tornar-se um ponto de viragem da OPEP em direção à Rússia, à Arábia Saudita e os EUA”, defende Chakib Khelil. Estes três países são os três maiores produtores mundiais de petróleo, responsáveis por cerca de um terço da produção mundial. Moscovo e Riade têm decidido cada vez mais as políticas de produção, sob pressão do presidente dos EUA, Donald Trump, para reduzir os preços do petróleo.

Qual a importância do gás natural para o Qatar?

O Qatar é o maior exportador de gás natural líquido do mundo. Por ano, produz em média 77 milhões de toneladas de gás por ano, tendo como objetivo expandir essa produção anual para 110 milhões de toneladas até 2024.

Recomendadas

PSI inicia sessão no ‘verde’ em linha com generalidade das praças europeias

O desempenho das energéticas é misto. A Galp Energia ganha 1,74% para 11,66 euros e a EDP sobe 0,30% para 4,40 euros. Por outro lado, a EDP Renováveis perde 0,36% para 22,07 euros e a Greenvolt recua 0,76% para 7,81 euros.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Alemanha e Espanha arrancam com as divulgações da pressão de preços em novembro, embora em fases diferentes do fenómeno. Em ambos os casos, o impacto para a economia da moeda única será substancial, pelo que os investidores procurarão sinais sobre a política monetária europeia de médio-prazo.

Wall Street encerra sessão com índices a desvalorizar mais de 1%

No fim de sessão em Wall Street o Dow Jones perde 1,45% para 33.849,46 pontos, o S&P 500 cai 1,51% para 3.965,30 pontos e o tecnológico Nasdaq cede 1,58% para 11.049,50 pontos. 
Comentários