Ressalto?

Depois de semanas em que o pânico tomou conta dos mercados, parece haver algum espaço para correções às tendências instaladas.

Depois de semanas em que o pânico tomou conta dos mercados, parece haver algum espaço para correções às tendências instaladas e são vários os indícios que apontam nesse sentido.

Nos últimos dias, a Reserva Federal (Fed) dos EUA tem dado a entender que não tem certeza de que conseguirá evitar uma recessão, que seria provocada pela subida dos juros com o objetivo de combater a inflação. A hipótese de uma recessão tem vindo a ser incorporada nos preços recentemente.

Até agora, foi provocando uma queda nas ações, mas poderá ter um efeito contrário porque mesmo que não impeça a subida dos juros por parte dos bancos centrais no curto prazo, deverá implicar que a taxa terminal (o ponto mais alto dos juros neste ciclo) seja mais baixa e que as taxas até possam descer mais cedo do que o esperado. Num mercado altamente viciado em liquidez e em taxas baixas, ter um teto mais baixo para os juros poderá ser interpretado como positivo.

Os receios de uma recessão também estão a provocar um recuo nos preços do petróleo e de outras commodities. O crude recuou mais de 15% numa semana e, se o movimento continuar, significará uma menor pressão inflacionista – o que será bem recebido pelas bolsas e pelas obrigações.

Finalmente, há a questão do posicionamento no mercado. Os dados mais recentes mostram que os pequenos investidores em opções aumentaram as suas posições contra o mercado acionista e que os prémios pagos foram mais altos do que no pânico pandémico de março de 2020. Comparados com a capitalização bolsista, as posições em opções a apostar na queda das bolsas atingiram um máximo de 22 anos. Como já estão em perda, os pequenos investidores começam a entrar em pânico.

Historicamente, estas posições costumam ser um indicador “contrário”, pelo que estes comportamentos extremados sugerem uma recuperação no curto prazo. É raro estes investidores assumirem posições tão extremadas contra as ações e quando isso acontece… normalmente enganam-se!

Recomendadas

PSI fecha em alta ligeira com Greenvolt a liderar subidas

A bolsa de Lisboa fechou esta segunda-feira com o índice PSI a registar uma ligeira subida de 0,04% para 6.054,21 pontos, com a Greenvolt a liderar os ganhos ao avançar 3,30%.

PSI sobe 8,5% desde o início do ano

Apesar da subida anual, em junho registou uma queda de 3,4%, com apenas cinco das 15 sociedades cotadas que integram o PSI a registarem uma evolução positiva, sendo que a banda de variação mensal oscila entre a subida de 8,8% da Jerónimo Martins e a queda de 16,7% dos CTT. A Maxyield destaca a forte capacidade de resiliência do PSI face às quebras mensal e anual dos mercados internacionais.

Vauld congela transações cripto devido à volatilidade no mercado

A Vauld junta-se a outras empresas de empréstimos de criptomoedas que decidiram suspender transações devido à forte volatilidade que se vive no mercado.
Comentários