Restaurantes e supermercados poderão enfrentar limites calóricos em refeições

Calorias em alimentos vendidos em restaurantes e supermercados no Reino Unido poderão vir a ser limitadas se os atuais documentos de consulta forem aprovados.

Os alimentos servidos em restaurantes e vendidos em supermercados no Reino Unido poderão sofrer um limite de calorias no seguimento de uma proposta apresentada pelo Governo britânico numa tentativa de combater a obesidade, escreve a ”Sky News”, esta quarta feira.

Refeições pré feitas, pizzas e saladas estão entre os alimentos que caíram sob um limite de calorias se os planos atuais considerados pelo Departamento de Saúde e Assistência Social no Reino Unido (Public Health England – PHE, em inglês) forem aprovados.

Porém, a maneira como os alimentos são rotulados nas lojas não mudará, nem as diretrizes atuais de calorias diárias necessárias para homens (2,500 calorias por dia) e mulheres (2,000 calorias por dia).

As mudanças teriam impacto na indústria de alimentos, que poderá ter que adaptar as suas receitas e métodos de produção, a fim de reduzir o teor de calorias para cumprir os regulamentos.

A consulta vem depois da PHE anunciar, no início deste ano, que estava a encorajar os vendedores e fabricantes de alimentos a reduzir em 20% as calorias dos seus produtos até 2024.

No Reino Unido, quase uma em cada quatro crianças com idade entre os 10 e 11 anos, estão com excesso de peso ou são obesas, de acordo com os números do PHE. O estudo também relata dois em três adultos nas mesmas situações.

Recomendadas

Compradores de dívidas processam SNS em centenas de milhões de euros

Empresa de factoring tem comprado créditos de fornecedores hospitalares e, por via judicial, exige não só o pagamento da dívida, como de juros de mora e de indemnizações. Só no último mês e meio deram entrada em Lisboa 32 ações, no valor de 27 milhões. ACSS já criou um grupo de estudo para analisar o caso. A notícia faz manchete na edição desta semana do semanário Novo.

“Orçamento da Saúde para o próximo ano poderá não ser suficiente”, alerta Correia de Campos

O antigo presidente do Conselho Económico e Social destaca o aumento de 2,7% do orçamento para a Saúde para 2023 mas adverte que o mesmo não vai ser suficiente tendo em conta que não acompanha “nem a inflação, nem a manutenção do equipamento, nem o reforço salarial necessário”

Marcelo diz que é tempo de atualizar o SNS e oportunidade “não pode ser desperdiçada”

Discursando na cerimónia de Juramento de Hipócrates da região Sul, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que o Serviço Nacional de Saúde “é um bem inestimável”, pelo que se espera que “seja possível atualizar o SNS, porque ele tem uma longa história e rica história mas o mundo mudou, a Europa mudou e Portugal mudou”.
Comentários