Retalhistas especializados europeus colocam vinhos portugueses no 6º lugar

Portugal está no topo das preferências dos retalhistas e importadores da Europa Central, representando a opção de 23% dos inquiridos originários desta área geográfica, deixando atrás a África do Sul (21%) e Eslovénia (17%)

Os vinhos portugueses são cada vez mais uma tendência nos mercados internacionais.

Um em cada cinco retalhistas especializados e importadores de vinho colocam Portugal no topo das suas prioridades para complementar a gama de produtos do seu portefólio.

A conclusão é do estudo ‘ProWein Business Report’, desenvolvido pela ProWein em colaboração com a Universidade alemã de Geisenheim.

Pelo segundo ano consecutivo, este estudo posiciona Portugal como um país em afirmação no panorama internacional do vinho, conforme sublinha a ViniPortugal.

O estudo da ProWein e da Universidade de Geisenheim analisou tendências do setor junto de mais de 2.300 especialistas em 46 mercados.

Além de um em cada cinco retalhistas internacionais querer adicionar vinhos portugueses ao seu portefólio, este estudo conclui que Portugal lidera o ‘top’ das novas origens vitivinícolas mais procuradas pelos retalhistas ouvidos para alargar a sua carteira de produtos, ficando à frente da África do Sul e da Argentina.

“Os dados revelam que estas são as opções mais referidas pelos retalhistas nos seus planos de investimento até 2021 e destinam-se a completar ou substituir parcialmente as gamas existentes, dominadas até agora por Itália, França, Espanha, Alemanha e Austrália”, explica um comunicado da ViniPortugal.

O mesmo documento acrescenta que, “aprofundando esta análise, verifica-se que Portugal está no topo das preferências dos retalhistas e importadores da Europa Central, representando a opção de 23% dos inquiridos originários desta área geográfica, deixando atrás a África do Sul (21%) e Eslovénia (17%)”.

“Também na Alemanha os vinhos portugueses estão no topo das preferências (23%), seguidos pelos vinhos da Argentina (21%) e da África do Sul (20%)”, assinala a ViniPortugal.

Encarado como o barómetro de tendências mais abrangente do sector internacional de vinhos, o ‘ProWein Business Report’ “demonstra que a deteção de oportunidades em novas origens de vinhos é cada vez mais uma orientação estratégica dos retalhistas e importadores”.

O estudo evidencia que quase um em cada dois retalhistas que visitam a ProWein, o maior evento mundial no sector vitivinícola, planeia expandir a sua gama com vinhos de novas origens.

“Por outro lado, é apontado que os vinhos originários de regiões menos difundidas têm um potencial particularmente elevado para serem incluídos nos portefólios especializados em retalhistas de vinho e gastronomia”, acrescenta a ViniPortugal.

A ViniPortugal é a associação interprofissional para a promoção internacional dos Vinhos de Portugal.  Tem como missão promover a imagem de Portugal enquanto produtor de vinhos por excelência, valorizando a marca.

 

Recomendadas

Desperdício alimentar deverá ter impacto económico de 1,5 mil milhões de euros em 2030

Um milhão de toneladas de alimentos é desperdiçado todos os anos, em Portugal. Uma média de 100 quilos por pessoa, ao mesmo tempo que 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza.

Aprovação do plano da PAC confirma “más notícias” para agricultura familiar

“Com a aprovação do PEPAC para Portugal, a aplicar no período 2023-2027, confirmam-se as más notícias para a agricultura familiar, para os consumidores e para o ambiente”, apontou, em comunicado, a CNA.

Bruxelas dá ‘luz verde’ ao plano estratégico português de 6.700 milhões para PAC

“Hoje [quarta-feira] a Comissão Europeia aprovou o primeiro pacote de planos estratégicos da PAC para sete países: Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Polónia, Portugal e Espanha”, anuncia o executivo comunitário em comunicado hoje divulgado.
Comentários