Retalho. Portugal é um dos países onde menos se rouba (com vídeo)

Portugal é o sexto país do mundo com menor índice de perda desconhecida no setor do retalho, seguindo países como o Reino Unido e a Polónia, e situando-se bem abaixo da média europeia. Esta é uma das conclusões que se podem tirar do Barómetro Global do Furto no Retalho 2014-2015, elaborado por The Smart Cube […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Portugal é o sexto país do mundo com menor índice de perda desconhecida no setor do retalho, seguindo países como o Reino Unido e a Polónia, e situando-se bem abaixo da média europeia. Esta é uma das conclusões que se podem tirar do Barómetro Global do Furto no Retalho 2014-2015, elaborado por The Smart Cube e o investigador Ernie Deyle, com o apoio da Checkpoint Systems.

O estudo revela que os valores da perda desconhecida em Portugal se situam em 0,9% das vendas, correspondendo a 301 milhões de euros da faturação total de 2014-2015, bem abaixo da média europeia que se encontra nos 1,05%, e que representa uma melhoria significativa face a 2013 em que as perdas representaram no nosso país 1,18% das vendas.

[Caso não consiga visualizar carregue aqui]

Portugal fica assim em sexto lugar a nível europeu de países com menor perda desconhecida, num ranking liderado pela Noruega, a Suíça e a França, logo abaixo da Polónia e do Reino Unido (em primeiro a quinto lugar respetivamente)

A principal causa desta perda é apontada pelos inquiridos portugueses como sendo o furto externo, isto é, a delinquência nos meios comerciais, que representa 52% das perdas, seguido pelo furto por colaboradores desonestos (29%), a fraude por provedores (13%) e, por fim, as consideradas perdas administrativas (6%).

De um modo geral, as perdas registam-se sobretudo em hipermercados (1,2%) e retalhistas de vestuário (1,08%), em contra das lojas de produtos desportivos e retalhistas diversos que registam as perdas mais baixas – 0,71% e 0,5% respetivamente.

À semelhança do que se passa em toda a Europa, os artigos com maior índice de furto são essencialmente smartphones, tablets, acessórios de telemóveis, lâminas de barbear, sapatos e acessórios de moda, bebidas alcóolicas e carnes frescas – todos eles por serem fáceis de ocultar, e ao mesmo tempo que possuem um potencial de revenda bastante elevado e rápido, que os torna produtos apetecíveis para os ladrões. O furto aumenta ainda no inverno e no verão, coincidindo com as épocas festivas e estivais.

OJE

Recomendadas

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Cabo Verde quer reforçar combate à pobreza com aumento de 25% da taxa turística

Governo liderado por Ulisses Correia e Silva prevê arrecadar 8,6 milhões de euros com o aumento da taxa, que serão canalizados para o fundo de financiamento Programa Mais, Mobilização pela Aceleração da Inclusão Social, concebido para apoiar projetos de combate à pobreza extrema e exclusão social, segundo a Forbes África Lusófona.

Receitas do turismo estão 14% acima das do pré-pandemia

Os resultados até agora obtidos são animadores, contudo a crescente subida dos preços traz alguma apreensão