PremiumRevisão da lei laboral avança mesmo com críticas da esquerda à direita

Não mereceu acordo dos parceiros sociais, mas a Agenda do Trabalho Digno vai fazer caminho no Parlamento, apoiada pela maioria do PS. Da esquerda à direita, não há quem não critique.

Quase um ano depois de ter sido apresentada, pela primeira vez, aos parceiros sociais, a Agenda do Trabalho Digno vai ser debatida, na Assembleia da República, ainda que tenha saído da Concertação Social sem acordo dos patrões e dos sindicatos e que os vários grupos parlamentares teçam críticas a esta proposta de lei do Governo, que visa combater a precariedade, evitar os abusos na contratação não permanente, lutar contra trabalho não declarado, regular o trabalho nas plataformas digitais e valorizar os jovens.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEfeitos base levam Portugal a liderar crescimento europeu

Os 6,7% de 2022 ficam bem acima dos 3,5% da zona euro e até da previsão de 6,5% do Governo, mas refletem um atraso na recuperação da economia nacional. Inflação voltou a recuar abaixo da europeia, mas core ainda preocupa.
gasolina_combustiveis_greve_motoristas

Governo mantém apoios aos combustíveis em fevereiro. Gasolina com maior desconto

Esta decisão significa que, em fevereiro, há um alívio na carga fiscal dos combustíveis. Considerando todas as medidas em vigor, a redução da carga fiscal passará a ser de 35,9 cêntimos por litro de gasóleo e de 34,8 cêntimos por litro de gasolina, refere o gabinete de Fernando Medina.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.
Comentários