Revisores da CP estão hoje em greve por aumentos salariais

Este domingo é dia de greve para os trabalhadores da CP. “Vai ser uma greve muito forte, possivelmente não haverá quase comboios”, antecipa sindicato. Trabalhadores protestam por aumentos salariais.

Os revisores e os trabalhadores das bilheteiras da CP – Comboios de Portugal, cuja sede está a sul de Pombal, cumprem hoje um dia de greve por aumentos salariais, que deverá causar fortes perturbações no serviço.

“Vai ser uma greve muito forte, possivelmente não haverá quase comboios. Sabemos que é um dia de festa [de Santo António], mas [a greve] perturba menos os utentes. Aqueles que nós transportamos, sabemos que são da mesma condição social que nós e tentamos procurar não prejudicar quem vem trabalhar”, afirmou o dirigente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), Luís Bravo, em declarações à Lusa.

A CP também já alertou para perturbações significativas no serviço devido à greve.

De acordo com o sindicalista, em causa está o facto de os trabalhadores continuarem com os ordenados congelados há mais de 10 anos.

Luís Bravo lamentou que o setor ainda não tenha recebido a atualização de 0,9%, aprovada para a função pública, que classificou como “miserável”, representando entre cerca de cinco e nove euros, consoante o escalão.

De acordo com o sindicato, para isso, a Administração da CP “impõe” a subscrição de um novo acordo de empresa, “com piores condições de trabalho”.

O dirigente do SFRCI lamentou que os trabalhadores estejam “completamente desprotegidos” face ao aumento inflação e dos custos energéticos.

“Os trabalhadores dos transportes, afetos aos comboios e às bilheteiras, que começam o seu turno às cinco, seis ou sete da manhã e que se retiram depois da meia noite, têm que se deslocar em viaturas próprias e, com o aumento dos combustíveis, neste momento, cerca de 20% do seu salário já vai só para se fazerem deslocar para o trabalho”, apontou.

A isto somam-se os turnos de trabalho e as folgas rotativas e um “aumento brutal do custo de vida”, fatores que têm levado até os trabalhadores mais novos a pedir rescisão da empresa.

Por outro lado, os concursos de adesão de novos colaboradores têm ficado vagos, porque “não há ninguém que se candidate com estes salários e em laboração contínua”, neste sentido, conforme apontou, existem comboios esgotados, que estão a ser suprimidos por falta de trabalhadores, lamentou, defendendo que a administração da CP e a tutela parecem estar “confortáveis” com esta situação.

“É um dia que gostaríamos que tivesse impacto e que houvesse reação do Governo e da Administração da CP, mas possivelmente foram todos de férias prolongadas”, concluiu.

Para o dia 23 de junho está também agendada uma greve de 24 horas para os trabalhadores ferroviários operacionais, a norte de Pombal.

A CP já alertou que a circulação de comboios da empresa deverá ter perturbações “significativas nos dias 12, 13 e 16 de junho devido a greve.

A CP refere que aos clientes que já tenham adquirido bilhete para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Interregional e Regional, será permitido o reembolso no valor total do bilhete adquirido, ou a sua revalidação, sem custos.

Desde o início do mês tem estado a decorrer uma greve dos trabalhadores da CP ao trabalho extraordinário e aos feriados, que se prolonga até ao final do mês, mas não provocou supressões, indicou à Lusa, em 03 de junho, fonte oficial da empresa.

Em 16 de maio, a CP anunciou que chegou a um acordo com 12 sindicatos, para revisão do Acordo de Empresa, ficando de fora três estruturas sindicais.

Do acordo alcançado resultou o aumento salarial de 0,9%, com efeitos retroativos a 01 de janeiro de 2022, a uniformização do subsídio de refeição para 7,74 euros e a integração dos trabalhadores da ex-EMEF na tabela salarial da CP, com efeitos retroativos a 01 de janeiro.

Recomendadas

20 pessoas manifestam-se em Lisboa pelo regresso dos comboios internacionais

Quase 20 pessoas, nem todas de pijama como pedia a organização, participaram hoje numa ação simbólica junto à estação ferroviária de Santa Apolónia, em Lisboa, para exigir o regresso das ligações de comboio para Madrid (Espanha) e Hendaye (França)

Centenas de voos cancelados nos Estados Unidos

Mais de 600 voos foram cancelados este sábado até ao meio dia, e mais de dois mil estavam atrasados nos aeroportos norte-americanos. Também nos principais aeroportos europeus um cenário semelhante.

Greves cancelam e atrasam centenas de voos em Paris e Madrid

A greve de trabalhadores cancelou dezenas de voos esta manhã no aeroporto de Paris Charles de Gaulle (CDG), enquanto em Madrid 15 voos foram cancelados e outros 175 sofreram atrasos devido a greves na easyJet e Ryanair.
Comentários