Revogação do aborto nos EUA. Trump diz que foi “decisão de Deus”

Trump aproveitou também para deixar uma mensagem aos apoiantes de que a reversão de Roe v. Wade “funcionará para todos”.

O ex-presidente Trump elogiou a decisão do Tribunal Supremo de derrubar Roe v. Wade que assegurava a constitucionalidade ao aborto.

Quando questionado sobre se sentiu que desempenhou um papel na reversão de Roe v. Wade, depois de ter nomeado três juízes conservadores para o Tribunal Supremo, o ex-presidente disse à Fox News: “Deus tomou a decisão”.

“Isto é seguir a Constituição e devolver direitos quando deveriam ter sido concedidos há muito tempo”, considerou Trump.

Trump, durante a sua presidência, nomeou os juízes conservadores Neil Gorsuch, Brett Kavanaugh e Amy Coney Barrett para o Tribunal Supremo. Com essas nomeações, o tribunal tornou-se maioritariamente conservador, com o presidente John Roberts, o juiz Samuel Alito, o juiz Clarence Thomas, Gorsuch, Kavanaugh e Barrett.

Quanto à mensagem que pretende deixar aos apoiantes relativamente ao que foi decidido, Trump respondeu: “Acho que, no final, isto é algo que funcionará para todos”. “Isso traz direitos de volta aos estados”, acrescentou.

Por sua vez, o presidente dos EUA, Joe Biden referiu que “a saúde e a vida das mulheres estão agora em risco”. Biden classificou ainda o dia de hoje como um “dia triste para o país”.

Esta sexta-feira o Supremo tribunal dos EUA reverteu decisão com 50 anos que permitia aborto. A decisão abrange cerca de 36 milhões de mulheres em idade reprodutiva.

“O aborto apresenta uma profunda questão moral. A Constituição não proíbe os cidadãos de cada Estado de regulamentar ou proibir o aborto. Agora devolvemos a autoridade ao povo e aos seus representantes eleitos”, escreveu o juiz Samuel Alito na opinião do tribunal.

Relacionadas

“Um dia triste para o país”, diz Joe Biden sobre revogação do direito ao aborto nos EUA

O tribunal deu o passo de derrubar a decisão que reconhecia o direito constitucional de uma mulher a um aborto e legalizou-o a nível nacional, concedendo uma importante vitória aos republicanos e conservadores religiosos que querem limitar ou proibir o procedimento.

Supremo tribunal dos EUA reverte decisão com 50 anos que permitia aborto

Com esta decisão, mais de metade dos estados norte-americanos deverão aprovar restrições ou proibir a realização de interrupções voluntárias de gravidez.
Recomendadas

Cinco conglomerados chineses deixam “voluntariamente” Bolsa de Nova Iorque

As petrolíferos Sinopec e PetroChina, a subsidiária da Sinopec com sede em Sangai, a seguradora China Life Insurance e a gigante de alumínio Chalco figuram na lista da SEC, regulador do mercado norte-americano, ameaçadas de expulsão de Wall Street no caso de não cumprimento dos novos requisitos de auditoria.

PremiumPrimeiro-ministro assume postura de moderação

Um objetivo politicamente aceitável e o fim da intervenção militar em Gaza mal esse objetivo foi alcançado e antes que se tornasse incontrolável. A poucos meses das eleições, Yair Lapid não abre mão da segurança, mas quer ser diferente.

Angola vai a votos dia 24. Eleitores residentes fora do país podem votar pela primeira vez

Nestas quintas eleições da história participam sete partidos e uma coligação e além da primeira participação de dois partidos, o Partido Humanista (PH) e o Partido Nacionalista da Justiça em Angola (P-Njango).
Comentários