Ricardo Batista Leite diz que agravamento do tempo de espera nos hospitais “é a marca da incapacidade do Partido Socialista”

Para o social-democrata o Partido Socialista “falhou na proteção da saúde dos portugueses” e utilizou como exemplo “um milhão” de portugueses que está “sem médico de família há meses”.

O deputado e cabeça de lista por Lisboa do Partido Social Democrata (PSD), Ricardo Batista Leite, considerou que o agravamento do tempo de espera nos hospitais “é a marca da incapacidade do Partido Socialista” (PS).

Durante a sua intervenção na Assembleia da República, num debate requerido pelo PSD, Ricardo Batista Leite frisou que “seis anos volvida a avaliação do Partido Socialista é, infelizmente, negativa”.

Para o social-democrata o Partido Socialista “falhou na proteção da saúde dos portugueses” e utilizou como exemplo “um milhão” de portugueses que está “sem médico de família há meses”. “Doentes meses à espera por uma simples consulta de saúde”, reforçou.

O deputado do PSD continuou com as suas críticas relativamente aos tempos de espera e deu os exemplos do hospital de Faro onde 844 utentes esperam por uma cirurgia vascular ou o Dona Estefânia onde 513 crianças esperam por ser “submetidas a cirurgia pediátrica”. “Não são nem devem ser uma mera estatística”, destacou.

Ricardo Batista Leite aproveitou a sua intervenção ainda para criticar a ministra da Saúde quanto às suas declarações em relação à resiliência dos profissionais de Saúde.

“As demissões de responsáveis clínicos contam-se às centenas”, afirmou o cabeça de lista do PSD por Lisboa, recordando também os “médicos enfermeiros” que trabalham “sem condições para serviço de qualidade”. “O que é para si essa resiliência que acha que falta aos profissionais de saúde”, questionou.

Recomendadas

Cotrim de Figueiredo diz que a única certeza na TAP é a perda de dinheiro

O líder da IL comentava as declarações do primeiro-ministro, que disse, na quinta-feira, esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Associação Zero dá parecer negativo a mais voos noturnos em Lisboa

No início de agosto foi anunciado pelo Governo a intenção de aprovar uma portaria que permita anular temporariamente a parte da lei que estabelece restrições ao tráfego aéreo noturno entre as 0h e as 6h, que a Navegação Aérea (NAV) quer que seja entre o dia 18 e 29 de novembro, para implementar um novo sistema de controlo.
Comentários