Ricardo Salgado é ouvido a 9 de dezembro na comissão de inquérito

O ex-presidente executivo do BES, Ricardo Salgado, vai ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco e do Grupo Espírito Santo (GES) no próximo dia 9 de dezembro. Os deputados queriam inicialmente ouvir o ex-presidente Ricardo Salgado a 3 de dezembro, mas o calendário de audições hoje divulgado na página do parlamento […]

O ex-presidente executivo do BES, Ricardo Salgado, vai ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco e do Grupo Espírito Santo (GES) no próximo dia 9 de dezembro.

Os deputados queriam inicialmente ouvir o ex-presidente Ricardo Salgado a 3 de dezembro, mas o calendário de audições hoje divulgado na página do parlamento na Internet, e que contempla todos os responsáveis que serão ouvidos até dia 22 de dezembro, indica que o ex-presidente do BES falará perante os deputados no dia 09, terça-feira da próxima semana, às 9h00.

Nesse mesmo dia, mas pelas 15h00, será ouvido o presidente do BESI, José Maria Ricciardi.

No dia seguinte, 10 de dezembro, quarta-feira, será a vez de Pedro Queiroz Pereira, presidente da Semapa e acionista do antigo BES, que prestará o seu depoimento aos deputados pelas 16h00, na única audição prevista para esse dia.

Na quinta-feira da próxima semana será a vez de Amilcar Pires, antigo administrador financeiro do BES e que chegou a estar indicado por Salgado para presidir ao banco.

Já a 16 de dezembro deslocar-se-ão Manuel Fernando Espírito Santo e José Manuel Espírito Santo Silva ao parlamento e no dia 17 será Pedro Mosqueira do Amaral a falar na comissão de inquérito.

Álvaro Sobrinho, no dia 18, e Joaquim Góis e Rui Silveira, no dia 22, são os últimos nomes cuja audição está já agendada.

OJE/Lusa

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

O Banco de Portugal divulga esta quinta-feira o Boletim Económico de outubro, A expectativa quanto a estas previsões é significante, especialmente depois da pressão do Presidente da República para que o Governo divulgasse as projeções macroeconómicas antes de anunciar o Orçamento do Estado para 2023.

FMI estima que a espiral de salários-preços ainda é um “risco limitado”

A ausência de uma espiral preços-salários não deve levar os líderes a não agirem para combater a inflação persistente, considera ainda o Fundo Monetário Internacional.

Compra de carros de luxo pela TAP “é um problema de bom senso”, diz Marcelo Rebelo de Sousa

“Já falei em relação a várias entidades públicas no passado e em relação à distribuição de dividendos e em relação aos salários e entendo que quando se está num período de dificuldade deve fazer-se um esforço para dar o exemplo de contenção”, defendeu hoje Marcelo Rebelo de Sousa.