Ricciardi acusa Ricardo Salgado de “infâmia”

O presidente do Banco Espirito Santo de Investimento, José Maria Ricciardi, acusou hoje o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, de “infâmia” por este ter sugerido que o primo havia tido uma “contrapartida” após “denúncia” ao Banco de Portugal. “É uma verdadeira infâmia”, declarou Ricciardi na comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo […]

O presidente do Banco Espirito Santo de Investimento, José Maria Ricciardi, acusou hoje o antigo presidente do BES, Ricardo Salgado, de “infâmia” por este ter sugerido que o primo havia tido uma “contrapartida” após “denúncia” ao Banco de Portugal.

“É uma verdadeira infâmia”, declarou Ricciardi na comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES).

Primeiro, sublinhou, o Banco de Portugal (BdP) ou “qualquer entidade reguladora não faz negociações com administrações de instituições bancárias” e, segundo, falar com o regulador e denunciar situações menos lícitas é uma obrigação de um qualquer membro de uma administração.

“Não basta não ter participado nos atos que eventualmente possam ser considerados eticamente reprováveis ou mesmo ilícitos. É obrigatório quando se tem conhecimento deles não só se opor, fazer exigências para as atas, mas também denunciar os factos que se consideram graves à entidade reguladora”, frisou.

Horas antes, Salgado havia dito na comissão parlamentar não querer atacar a sua família, mas realçou perante os deputados que José Maria Ricciardi, seu primo, teve um comportamento “muito curioso”.

“O dr. Ricciardi teve um comportamento no mínimo muito curioso em relação àquilo que deveria quanto a mim ter tido. Certamente se fez alguma denúncia ao BdP é capaz de ter alguma contrapartida por isso. Não sei qual, não quero fazer suposições, mas acho curioso que isso tenha acontecido”, realçou o histórico banqueiro do BES.

OJE/Lusa

Recomendadas

Banco Nacional de Angola desce juros, em contraciclo com os outros bancos centrais

O comité que decide a política monetária angolana justificou a descida dos jurps com a “consistência do abrandamento da evolução de preços na economia nacional, particularmente desde o início do ano, como resultado do contínuo e rigoroso controlo da liquidez, da apreciação do kwanza em relação às principais moedas utilizadas nas transacções com o exterior”.

CAP contesta que tese de que subsídios dados aos agricultores sejam “perversos”

“A temática da água, do seu bom uso e utilização como recurso, é um assunto levado muito a sério pelos agricultores e demasiado importante para se subordinar a declarações falsas e difamatórias de um único responsável”, refere a confederação em resposta a Joaquim Poças Martins.

Goldman Sachs alerta para alastramento da inflação na zona euro e prevê mais 75 pontos nos juros em outubro

A pressão nos preços do bloco da moeda única dá sinais de se alastrar a vários sectores, levando o banco de investimento a rever em alta a sua projeção para a inflação subjacente em 2023. Reunião de outubro do BCE deve trazer nova subida de 75 pontos base, acrescenta.