Rio diz parecer “absolutamente evidente” que há aumento da carga fiscal no OE2020

O presidente do PSD, Rui Rio, disse hoje “parecer absolutamente evidente” que a proposta de Orçamento do Estado para 2020 aumenta a carga fiscal, mas recusou comentar o documento em detalhe ou antecipar o sentido de voto.

Cristina Bernardo

À entrada de um jantar com militantes em Oeiras (Lisboa) no âmbito da sua recandidatura à liderança e questionado sobre a possibilidade de os três deputados do PSD/Madeira poderem abster-se na votação na generalidade, Rui Rio também se escusou a responder sobre esta matéria.

“Não vamos pôr o carro à frente dos bois”, afirmou, dizendo ser necessário ver que reivindicações da Madeira estão efetivamente espelhadas na proposta orçamental e o que pretendem fazer esses deputados.

Sobre a proposta entregue na segunda-feira no parlamento, e questionado se se cumpriu o seu desejo de que não existisse um aumento da carga fiscal, o líder do PSD declarou já ter notado “alguma atrapalhação do Governo”, que reviu o relatório inicial nessa matéria.

“Vou ver com cuidado, mas parece-me absolutamente evidente que há um aumento da carga fiscal. Quando o primeiro-ministro diz que é um Orçamento do Estado de continuidade, se aumentar a carga fiscal é de continuidade, que tem aumentado desde que o PS assumiu a governação em 2016”, criticou.

Sobre o sentido de voto do PSD, Rio reiterou que o orçamento é “uma peça complexa” que não pode ser analisada passadas “algumas horas”, embora admitindo que a carga fiscal foi “o elemento mais importante” e mais falado na última campanha legislativa.

“Espero amanhã [quarta-feira] no jantar do grupo parlamentar falar um bocadinho mais sobre o Orçamento do Estado, mas falar a sério sobre o orçamento demora algum tempo”, reiterou.

Questionado sobre o repto lançado pelo Governo e pelo PS para que os partidos apresentem contrapartidas a propostas de alteração com encargos financeiros significativos, Rui Rio manifestou concordância.

“Quando fui deputado há vinte e tal anos tive no parlamento a coordenação do orçamento pelo lado do PSD e não me lembro de apresentar medidas de despesa sem qualquer suporte (…). Um partido responsável que apresente uma medida com impacto tem de apresentar uma contrapartida semelhante”, defendeu.

A versão revista da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) antecipa uma subida do peso dos impostos e das contribuições sociais efetivas para 35,1%, mais uma décima do que na versão entregue na segunda-feira.

A proposta de OE2020 foi entregue ao final do dia de segunda-feira na Assembleia da República, em Lisboa, pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, que a apresentou aos jornalistas esta manhã.

No documento prevê-se um excedente orçamental equivalente a 0,2% do PIB – a concretizar-se, será o primeiro saldo orçamental positivo da democracia -, uma taxa de crescimento económico de 1,9% e uma descida da taxa de desemprego para 6,1%.

A discussão e votação na generalidade da proposta do Governo de Orçamento do Estado está marcada para 09 e 10 de janeiro e a votação final global para 06 de fevereiro.

Relacionadas

PremiumFuncionários públicos perdem poder de compra

Se os aumentos de 0,3% fossem estabelecidos com base na inflação prevista para 2020, o Estado teria de desembolsar três vezes mais. A “prudência” ajuda o estado a poupar uns 150 milhões de euros. Os sindicatos prometem lutar.

PremiumAumento extraordinário de pensões em aberto

Governo compromete-se a reforçar as pensões contributivas de baixo valor. As regras de atribuição do Complemento Solidário de Idosos também deverão ser revistas, com um reforço no acesso.

PremiumTaxas moderadoras começam a ser eliminadas em 2020

A eliminação das taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários iniciar-se-á em 2020, desconhecendo-se ainda quais as consultas abrangidas já no próximo ano.

PremiumSaúde reforçada com quase mil milhões fica atrás do Trabalho e Finanças

Subidas consideráveis nas verbas destinadas ao Ambiente e Ação Climática e à Economia e Transição Digital refletem apostas para a nova legislatura. Mas a parte de leão do Orçamento mantém-se nas mesmas pastas.

Premium“Tema difícil de passar face à conjuntura política”

Proposta foi excluída do Orçamento de Estado, mas responsável da EY assume que “deve haver um grande apetite” do Governo pela mesma.

PremiumTaxa agravada de IMI para zonas de pressão urbana

Com o IMT a dar sinais de que o seu crescimento está a abrandar, o Governo cria uma nova taxa para habitações acima do milhão de euros.
Recomendadas

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Covid-19: Testes deixam de ser recomendados a pessoas sem sintomas e internados com visitas

Os testes à infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 deixaram de ser recomendados a pessoas sem sintomas de infeção e doentes internados com covid-19 passam a poder receber visitas, avançou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.
Comentários