Rio diz que excedente orçamental é atingido à custa de uma “carga fiscal brutal”

O presidente do PSD sublinhou que não vai criticar um Governo que, nesse aspeto, faz aquilo que qualquer um deve fazer.

rui_rio_psd_legislativas_1
Tiago Petinga/Lusa

O presidente e candidato à liderança do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que o excedente orçamental “é positivo”, mas entende que o mesmo tem sido atingido “à custa de uma carga fiscal brutal”.

“Aquilo que interessa efetivamente é como vai fechar a 31 de dezembro. E a minha ideia é que o Orçamento do Estado de 2019 irá fechar a 31 de dezembro com 0,1% do PIB, portanto ligeiramente melhor do que aquilo que estava inscrito no próprio Orçamento do Estado (…). Penso obviamente que é positivo”, afirmou Rui Rio, em Castelo Branco, onde se deslocou para uma sessão de esclarecimento com militantes.

O Ministério das Finanças anunciou hoje que o excedente das administrações públicas atingiu 546 milhões de euros até novembro, em contabilidade pública, uma melhoria de 1.131 milhões de euros face ao mesmo período de 2018.

O presidente do PSD sublinhou que não vai criticar um Governo que, nesse aspeto, faz aquilo que qualquer um deve fazer.

“Coisa diferente é depois como é que é atingido esse saldo orçamental. Uma coisa é o saldo, mas depois [outra coisa é] como é que é atingido. E tem sido atingido à custa de uma carga fiscal brutal, um brutal aumento de impostos. Se o PSD foi criticado quando estava no Governo por ter feito um brutal aumento de impostos, o que é verdade é que depois desse brutal aumento de impostos o PS já fez não sei quantos mais aumentos de impostos sobre aquilo que era brutal”, sustentou.

Rio realçou que o país esteve mais de 40 anos com défices públicos que trouxeram a dívida pública para um patamar que considera “absolutamente brutal”.

Contudo, entende que esse excedente está a ser conseguido à custa de uma carga fiscal muito grande e, do lado da despesa, com uma degradação muito grande dos serviços públicos.

“Não é só o Serviço Nacional de Saúde, mas a muitos outros níveis também. Portanto, se o resultado aritmético no fim do saldo é positivo, a forma como lá se chega não é a melhor forma, porque traz às pessoas sofrimento que seria, em parte, de evitar para obter o mesmo resultado. Porque aí eu não transijo, as contas nacionais têm de efetivamente estar equilibradas”, concluiu.

Recomendadas

João Cotrim de Figueiredo no regresso do Clube dos Pensadores

Líder do Iniciativa Liberal está no Porto para o regresso do Clube dos Pensadores, um grupo de debate enraizado na sociedade civil por onde já passaram quase todos os líderes políticos nacionais.

Ministro da Saúde quer reinício das negociações com sindicatos ainda em outubro

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, disse hoje em Coimbra que o regresso às negociações com os sindicatos dos médicos e enfermeiros “de outubro não passará”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários